Assange será jurado em festival de cinema independente em Londres

Londres - O fundador do portal Wikileaks, Julian Assange, participará do júri do festival britânico de cinema independente Raindance, direto da embaixada equatoriana...

Londres – O fundador do portal Wikileaks, Julian Assange, participará do júri do festival britânico de cinema independente Raindance, direto da embaixada equatoriana em Londres, confirmou nesta terça-feira à Agência Efe o diretor do evento, Elliot Grove.

Assange, que permanece refugiado desde junho de 2012 para evitar sua extradição para a Suécia, onde é acusado de crimes sexuais, será um dos jurados do festival, que acontece entre os dias 25 de setembro e 6 de outubro.

O jornalista australiano, explicou hoje Grove, “se ajustava aos três elementos” que o festival exige para qualificar o júri. “Buscamos pessoas que saibam e assistam a filmes, gente interessante e, em terceiro lugar, buscamos pessoas que ao longo da vida tenham realizado um trabalho interessante, no qual acreditam”, disse o fundador do festival.

Ao colocar o nome do ativista na lista de possíveis jurados, Grove garantiu que “Assange não foi pré-julgado pelas acusações que existem contra ele”.

“Como o resto do mundo, sabemos das acusações que Assange enfrenta; pelas quais terá que ser julgado e que deverão ser provadas”, observou Grove.

Na 21ª edição do Raindance, considerado o maior festival de cinema independente da Europa, serão exibidos cerca de 100 longas e mais de 150 curtas-metragens em diferentes salas de cinema da capital britânica.

Entre eles, está programada a projeção do documentário “Mediastan”, produzido por Assange, cuja experiência no jornalismo online foi um dos fatores que influenciaram na decisão de convidá-lo para o júri.

O festival não revelou como o australiano interagirá com os demais membros do júri a partir da embaixada do Equador, onde está abrigado para evitar ser levado para a Suécia por receio que o país nórdico o extradite para os Estados Unidos, onde teme ser condenado à morte.

Os EUA foram o país mais prejudicado pelos milhares de documentos vazados de seus serviços de inteligência que o Wikileaks divulgou, como telegramas diplomáticos de outros países. Por isso os advogados de Assange não acreditam que seu cliente receberia um julgamento justo.

O jornal britânico “The Guardian” sugeriu que Assange poderia receber DVDs do festival na embaixada do Equador e poderia participar por meio de videoconferências caso seja necessário.

O júri desta edição conta também com o ator inglês Jason Flemyng, a cantora do Portishead, Beth Gibbons, o crítico de cinema do jornal britânico “Daily Telegraph”, Robbie Collin, o ator Sean Brosnan – filho de Pierce Brosnan – e o diretor chinês Anthony Chen.