Apple compra startup criadora do sensor do Kinect por US$345 mi

A Apple adquiriu a startup PrimeSense, fabricante israelense por trás do desenvolvimento do sensor do Kinect, da Microsoft

A Apple comprou a startup PrimeSense por 345 milhões de dólares. A empresa israelense fabrica chips que permitem visão artificial tridimensional (3D). As informações são do jornal financeiro Calcalist.

A PrimeSense está por trás do desenvolvimento do sensor do Kinect, da Microsoft, rival da Apple. A startup se especializou nessa área e é uma das responsáveis pela revolução pós-touchscreen que começou nos games. Sua pesquisa mudou a experiência dos usuários com jogos e agora avança em outras direções.

“A interação por gestos vai decolar porque garante uma experiência intuitiva e natural, como vimos no iPhone e no iPad”, disse em entrevista a INFO Tal Dagan, vice-presidente de marketing da PrimeSense.

Segundo a agência de notícias Reuters, a PrimeSense levantou 85 milhões de dólares em Israel e nos Estados Unidos junto a fundos de investimento como Canaan Partners Global, Gemini Israel e Genesis Partners, segundo o Calcalist.

Entre os principais clientes da PrimeSense está a fabricante taiwanesa Asus, para quem desenvolveu um aparelho chamado Xtion. O acessório funciona conectado a qualquer PC ou notebook com porta USB. “A revolução das interfaces começou do teclado para o mouse. Foi do mouse para o toque e, em breve, vai do toque para os gestos. Acreditamos que o pós-touchscreen já é o novo paradigma”, afirmou Dagan.

A compra da PrimeSense é a segunda aquisição de uma empresa israelense pela Apple. A empresa de Steve Jobs também comprou a fabricante de chips de armazenamento em memória flash Anobit em janeiro de 2012.

As principais aquisições da Apple em 2013

Clique para abrir o link no navegador
Movimento pós-touch – O investimento da Apple em controle gestual acompanha uma onda de ações similares de outras empresas. Startups e grandes companhias no mundo todo disputam a liderança desse mercado que, para alguns empreendedores, vai se expandir rapidamente. O sensor Leap Motion, por exemplo, é um dos controles gestuais que tem feito mais sucesso.

No começo de outubro, o Google comprou a startup americana Flutter, especializada em aplicativos de controle gestual. Em breve, Google Glass, Android e outros produtos do Google poderão ser controlados por gestos, ao estilo Kinect.

A Intel também está atenta ao futuro pós-touch e investe em novidades nessa área. Em julho, comprou a startup israelense Omek, desenvolvedora do software Omek Grasp, capaz de ler 22 articulações da mão e seus movimentos. O produto será incorporado a futuros lançamentos da fabricante americana de chips.

Além da Omek, a Intel também trabalha com a Softkinetic, empresa belga com quem desenvolve o projeto Perceptual Computing — uma webcam equipada com sensores infravermelhos capazes de reconhecer gestos e até expressões faciais. Se o projeto Perceptual decolar, a expectativa da Intel é que a próxima geração de ultrabooks já venha de fábrica com a capacidade de interação por meio de gestos.