Android cresce, mas Symbian ainda é líder no Brasil

Estudo do Kantar Worldpanel Comtech atribui ao sistema da Nokia 45,6% do mercado brasileiro, apesar de registrar queda

São Paulo – Contrariando a tendência no resto do mundo, o Android ainda não é líder em participação de mercado no Brasil. Segundo dados do Kantar Worldpanel Comtech referentes às vendas de smartphones por sistema operacional, o Symbian ainda é líder com folga entre os consumidores brasileiros, embora tenha perdido uma fatia de mercado para a plataforma do Google.

Cobrindo um período de 12 meses entre maio de 2011 e maio deste ano, a pesquisa Real Consumer Connection registrou que o Symbian ainda detém uma participação de 45,6%, queda de 8,3 pontos percentuais em relação ao levantamento anterior. Já o Android cresceu 9,2 pontos percentuais no mesmo período, chegando a 26,7% do mercado brasileiro.

O Windows Mobile (até a versão 6.5) ainda tem grande expressão no Brasil e é o terceiro sistema preferido nas vendas , com 10,2% de share, crescimento de 6,5 pontos. O quarto é o BlackBerry, embora tenha caído 0,6 ponto e atingido os 4,3% de mercado. Já o iOS, que equipa o iPhone, da Apple, teve um crescimento de 2,1 pontos e obteve 3,7% do mercado no País.

Os dados diferem bastante da pesquisa da IDC divulgada em março sobre o mercado brasileiro de smartphones. De acordo com esse levantamento, o Android já é responsável por 50% das vendas no mercado brasileiro, um universo de mais de 9 milhões de aparelhos comercializados em 2011. A firma não informou sobre a participação dos outros sistemas.

Domínio da RIM

Ainda de acordo com o Kantar Worldpanel Comtech, em termos de comparação, a plataforma da Nokia tem tido mais dificuldade no México, com queda de 14 pontos, chegando a 27,2% do mercado em maio de 2012 e perdendo a liderança. O sistema preferido do mercado mexicano foi o BlackBerry que, apesar de ter caído 3,4 pontos, ainda tem uma boa fatia, com 32,3%. O Android, por sua vez, cresceu de 7,3% em 2011 para 27,1% em 12 meses. O iOS e o Bada tem 7,9% e 2,2% de share, respectivamente.