Amazon planeja lançar milhares de satélites para banda larga

Facebook e Google também têm iniciativas semelhantes para conquistar novos clientes em mercados consolidados

A Amazon planeja lançar milhares de satélites para fornecer acesso à internet de banda larga em todo o mundo.

O esforço, batizado de Project Kuiper, tem como objetivo oferecer acesso à internet de alta velocidade às comunidades não atendidas e carentes ao redor do mundo, com um mínimo de atraso, segundo a Amazon. Várias outras empresas anunciaram iniciativas semelhantes.

O Facebook tinha o objetivo de lançar satélites no início deste ano, enquanto o Google planeja construir uma rede de balões voadores. Ambas as empresas estão procurando alcançar mais pessoas com seus serviços, pois estão quase saturadas no mercado consolidado.

A Space Exploration Technologies, do empresário Elon Musk, e a OneWeb Satellites, também estão correndo para expandir a cobertura para cerca de 4 bilhões de pessoas no planeta que não têm acesso confiável à internet, à medida que o mundo se torna mais interconectado.

Três séries de protocolos com a União Internacional de Telecomunicações (UIT), que foram informados pela primeira vez pelo GeekWire, mostram que a iniciativa pode colocar 3.236 satélites em órbita terrestre baixa.

“Este é um projeto de longo prazo que prevê servir dezenas de milhões de pessoas que não têm acesso básico à internet de banda larga. Estamos ansiosos para participar dessa iniciativa com empresas que compartilham essa visão comum”, disse a Amazon em um comunicado. Um porta-voz da empresa preferiu não comentar sobre o custo.

A UIT coordena o uso de satélites no mundo e tem de aprovar e assinar o plano. Se for bem sucedido, o Projeto Kuiper fornecerá cobertura de dados em partes do planeta onde 95% da população mundial vive, informou o GeekWire.

Se concretizada, a iniciativa marcará o mais recente investimento no espaço do CEO da Amazon, Jeff Bezos. A Blue Origin, empresa que ele está financiando, também trabalha para desenvolver foguetes reutilizáveis e tornar as viagens espaciais comercialmente viáveis.