AIEA adverte Japão sobre mensagens confusas sobre Fukushima

Tóquio - A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) defende a elaboração de um plano de comunicação sobre a central de Fukushima que explique cada problema...

Tóquio – A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) defende a elaboração de um plano de comunicação sobre a central de Fukushima que explique cada problema em termos de segurança.

O objetivo é “evitar o envio de mensagens contraditórias aos meios de comunicação e ao público sobre uma longa série eventos classificados na escala Ines”.

Em uma resposta escrita à autoridade de regulação nuclear japonesa, a AIEA questiona o motivo da diferenciação oficial de um recente vazamento de água radioativa de Fukushima, enquanto muitos outros incidentes não tiveram o mesmo tratamento.

Na semana passada, a autoridade de regulação japonesa classificou como nível 3 (“incidente grave”) na escala internacional de eventos nucleares (Ines) um vazamento de 300 toneladas de água altamente radioativa de um gigantesco depósito cilíndrico da central nuclear de Fukushima Daiichi.

A avaliação foi confirmada nesta quarta-feira.

As autoridades japonesas decidiram perguntar à AIEA sobre a pertinência de utilizar a escala Ines para diferenciar o incidente.

“A aplicação da escala Ines e a determinação de uma nota Ines são uma responsabilidade nacional”, respondeu a AIEA por escrito, que advertiu sobre a adoção de uma estratégia de classificação em função de critérios mais ou menos pertinentes, pois “as frequentes mudanças de nota não ajuda a explicar a situação real de uma maneira mais clara”.

Segundo documentos publicados pelas autoridades japonesas, a AIEA insistiu no fato de que “a prioridade é atenuar as consequências do vazamento e adotar medidas para que não volte a acontecer”.