7 erros que o Twitter deveria corrigir já

Cinco anos após sua fundação, o Twitter continua crescendo explosivamente. Mas o site ainda tem falhas óbvias, que deveriam ser corrigidas com urgência

São Paulo — Todo dia, 500.000 novas contas são criadas no Twitter e 140 milhões de tuítes são publicados. Apesar da grande adesão, o serviço está longe da perfeição. Passados cinco anos, atualizações quase mensais ainda não resolveram antigos defeitos da ferramenta mais popular de microblog. Verdade seja dita: a empresa corre para melhorar a qualidade dos seus serviços. Mas o esforço nem sempre sai à altura. Nesta semana, a rede implementou o novo desenho de sua página principal, e, ao fazê-lo, o sistema caiu. Confira abaixo sete melhorias que o serviço continua devendo:

1. Instabilidade

O Twitter já existe há cinco anos, mas seus servidores continuam instáveis. Frequentemente os usuários se queixem de lentidão ou deparam com a famigerada baleia suspensa por passarinhos e o aviso de que a demanda superou a capacidade do Twitter. Os problemas de acesso também afetam outros programas que as pessoas usam para acompanhar a rede social, como Twitter Fox, Hootsuite, Tweetdeck e Twitterfeed. Existem diversos esforços do microblog para amenizar tais interrupções no serviço, mas o principal problema enfrentado pela rede é o crescente número de usuários que ingressam mensalmente na página. O alto volume de conexões requer atualização constante da estrutura de rede, o que já foi feito em 2010.

2. Retuíte

No final de 2009, o Twitter lançou uma ferramenta específica para o retuíte. Mas, ainda hoje, a ferramenta tem um grave defeito: não permite acrescentar comentários. Quando a intenção é postar uma nota junto com a mensagem original, a única opção continua sendo copiar e colar o tweet que será reproduzido, citar o autor e, então, publicá-lo. Apesar dos protestos constantes, nada foi feito até o momento para alterar o recurso, o que mostra que a administração do microblog deve estar “satisfeita” com o seu desempenho.

3. Linguagem

O internauta brasileiro é um dos mais ativos do serviço – “Cala Boca Galvão”, “Dunga”, “Dilma” e “Felipe Melo” foram alguns dos assuntos mais comentados de 2010 –, mas o Twitter não tem versão em português. A rede oferece apenas sete opções de idioma: inglês, espanhol, italiano, coreano, francês, alemão e japonês. Já o Facebook fala 71 línguas, incluindo “inglês de ponta-cabeça” e “inglês pirata”. O microblog abriga profissionais brasileiros que, teoricamente, deveriam auxiliar no processo de tradução. Infelizmente, não existe ainda previsão para que isso aconteça.


4. Histórico

É cada vez mais difícil encontrar tweets antigos. Ao tentar procurar citações no serviço de microblog, o usuário nota que a rede social só exibe posts das últimas semanas ou meses. Pior: quando o usuário faz uma busca por palavras, só encontra resultados da mesma semana. O Twitter já avisou que apaga as mensagens mais antigas, mas sem informar seus critérios ou políticas. Apesar disso, usuários podem utilizar serviços de busca externa para ajudá-los na procura.

5. Trending Topics

A lista dos trending topics frequentemente apresenta termos que a maioria das pessoas não sabe o que são e nem por que estão sendo comentados. Neste momento, por exemplo, são ‘tendências’: Jersey Shore Reunion, ZameronIsSassy e #noonecares. Falta ao Twitter uma ferramenta colaborativa que permita, aos usuários, contribuir com explicações, à maneira da Wikipedia. Esse serviço é, hoje, feito pelo site WhatTheTrend.

6. Aplicativo para Android

Há um mês, o Twitter reformou seu aplicativo para o sistema Android, do Google. Apesar das melhorias, o novo app pode deixar as pessoas confusas. Ao entrar no programa, você depara, não com os tweets mais recentes, como na página do Twitter, mas com os últimos que você leu. Para ver os últimos posts, é necessário rolar a lista de mensagens. Mais uma vez, apesar das críticas, a companhia não apresentou uma solução para o problema. A melhor opção para os usuários é utilizar a versão móvel do site, que pode ser usada em qualquer celular com acesso à internet, por meio do endereço: m.twitter.com.

7. Comunicação

Hoje, a melhor forma de obter informações sobre o que acontece no microblog é seguir as contas oficiais do próprio Twitter. O problema é que elas não são extensivamente divulgadas, o que deixa muitos usuários no escuro. O exemplo mais recente foi a mudança na página principal do serviço que, após apresentar diversos problemas, levou os administradores do site a reverter o desenho oficial do site para uma versão mais antiga, sem explicações claras aos visitantes. Além do blog e das contas oficiais, não existe uma área de avisos detalhando os problemas enfrentados pelo sistema.