2020 é um bom ano para comprar um carro?

Juros para financiamento de veículo caíram e montadoras dão descontos de até 13 mil reais para carros modelo 2019. Veja o que considerar antes da compra

São Paulo – Quer comprar ou trocar de carro em 2020? É provavelmente um bom momento para isso.

Os preços dos veículos vêm sendo reajustados pela inflação, que está controlada. Já os juros dos financiamentos chegaram à marca mínima de 0,39% ao mês. Além disso, até março as montadoras promovem queima de estoque de modelos 2019, com descontos de até 14 mil reais.

Veja abaixo o que considerar caso deseje adquirir um carro neste ano:

Preços sobem em linha com a inflação

Em anos de mercado aquecido era comum que as montadoras reajustassem os preços dos veículos até três vezes em apenas um mês. Atualmente, o mercado está mais estável, com um reajuste mensal. É o que indica Milad Neto, gerente da consultoria Jato. “Dificilmente o preço cai. Só em raros casos de mudança de estratégia e reposicionamento da montadora no mercado”.

Portanto, quem comprar agora irá necessariamente pagar mais barato do que adiar a compra para o final do ano. Mas o adiamento da compra não implica necessariamente um ônus tão relevante. Caso o cenário atual se mantenha, a tendência é que as condições para a compra fiquem estáveis ao longo do ano, seguindo mais uma vez a inflação.

Isso porque com a Selic baixa é provável que a indústria automotiva continue a crescer de forma gradual, algo que vem acontecendo desde 2018.

Veja também

Nos últimos doze meses, a GM diz ter promovido reajustes de preços alinhados à inflação. Contudo, há algumas exceções, como o modelo do novo Ônix, que ficou acima do valor do índice de preços para o ano, de 4,31%. “É um produto com design renovado e que oferece benefícios diferenciados. Além disso, é um modelo com maior demanda no mercado”, diz Rodrigo Perencim, gerente de marketing de varejo da montadora.

Um ponto de atenção, contudo, é o dólar. A cada momento que a cotação ante o real sobe, a tendência é que os preços dos carros sejam reajustados para cima, já que preços de commodities como o aço são influenciados pela cotação da moeda. “Com o dólar no atual patamar de 4,36 reais, adquirir carros importados não compensa”, pontua Milad.

Financiamentos mais baratos

Juros no patamar inédito de 4,25% ao ano permitiu à GM reduzir a taxa de juros média cobrada em financiamentos oferecidos por seu braço financeiro. Os valores médios passaram de 0,99% ao mês em agosto para 0,59% ao mês em janeiro. “É uma economia relevante. Para um mesmo carro e plano, a parcela cai 60 reais. Em um ano, é uma economia de 800 reais”, explica Perencim.

Os juros aumentam conforme o perfil de risco e porcentual de entrada. Para entradas menores do que 40%, os juros chegam a 0,99% ao mês, diz o executivo. Há dois anos, a taxa chegava a 2%.

A queda dos juros também incentivou a oferta dos financiamentos com taxa zero. “O custo de captação desse dinheiro diminuiu, o que nos incentiva a oferecer mais essa modalidade. Hoje já temos financiamento zero em toda a nossa linha. O porcentual de entrada difere entre os modelos. Em alguns, pode exigir até 70% do valor total do veículo. Em outros, com 30% de entrada já é possível ter acesso a esse benefício”, explica Perencim.

No Bradesco, o financiamento de veículos cresceu 29% de janeiro de 2019 a janeiro de 2020. “É natural que isso aconteça. Quando há um ciclo de queda de juros a parcela abaixa, e mais pessoas têm acesso ao crédito, pois conseguem enquadrá-lo no orçamento”, diz Leandro Diniz, diretor do departamento de empréstimos e financiamentos do Bradesco.

Atualmente o banco financia até 100% do valor do carro novos, com carência de 60 dias para o pagamento da primeira parcela. No caso de veículos com 6 a 12 anos de uso o banco financia até 70% do valor. Em ambas as linhas o prazo máximo para quitar o financiamento é de cinco anos.

Diniz aponta que atualmente as taxas partem de 0,81% ao mês no banco. Há um ano, o valor girava em torno de 1,05% a 1,10% ao mês.

No Itaú, os juros partem de 0,69% ao mês, mas pode chegar a 1,7%. Em média o banco financia veículos com entrada de 40%, e por um prazo de cerca de 40 meses.

Bons negócios nas locadoras

Locadoras de carros devem fazer parte ds pesquisa para compra ao lado das concessionárias.

Milad aponta que é possível encontrar em locadoras modelos vendidos por 60 mil reais e adquiri-los com 10 mil reais de entrada. O valor ainda pode ser parcelado em dez vezes sem juros. “As locadoras vendem hoje os mais diversos modelos. O preço é variado, mas tende a ser competitivo com os das concessionárias”.

Para quem não vai pagar à vista, as condições de financiamento nas locadoras são as mesmas encontradas nas concessionárias. Ao menos no Bradesco. “As locadoras se profissionalizaram e vendem agora carros conservados, usado por cerca de oito meses”, conta Diniz.

Liquidações até março

A GM está liquidando carros com ano-modelo 2019. Os níveis de desconto podem chegar a 13 mil reais em modelos como o Chevrolet Tracker em regiões como São Paulo e Rio de Janeiro. No mesmo período do ano passado esse desconto era menor: chegava a 11 mil reais.

Geralmente, essa venda de modelos antigos costuma se encerrar em março. “Por conta disso os primeiros meses do ano são os melhores para a compra. Entre os novos, modelos 19/19 são hoje os mais antigos ainda à venda no mercado, e podem render bons descontos. A diferença média de modelos 2020 e 2021 é de 20%”, diz Milad, da Jato.

Compra exige planejamento

A indicação de compra de um veículo é válida para quem já vinha se planejando para ela.

Caso o orçamento fique apertado ou você esteja inseguro em relação ao seu emprego no curto e médio prazo, pode ser melhor esperar do que correr o risco de se endividar apenas para conseguir um bom preço ou desconto, além de um financiamento com juros baixos.

Fora o custo de aquisição do carro é necessário considerar também outras despesas com o novo veículo, como com o IPVA, gasolina, seguro e manutenção.