Seguro para motos chega a custar 17.000 reais por ano

Alto índice de sinistros envolvendo condutor e motocicleta tornam o seguro bem caro quando comparado ao de outros veículos

São Paulo – Contratar um seguro para motocicletas é um desafio à parte para aqueles que sonham com a sensação de liberdade que este veículo pode oferecer. O alto índice de sinistralidade proporcionado por acidentes envolvendo motos faz com que as seguradoras sejam bastante cautelosas ao elaborar os contratos com os clientes.

O valor para uma apólice de seguro para motos é calculado com base numa série de variáveis, como o bairro no qual o condutor reside, sexo, estado civil, uso principal do veículo, etc. Ana Claudia Benites Badaró, corretora de seguros da Kalassa, especializada em seguros para motocicletas acima de 400 cilindradas, explica que as motocicletas são divididas em três categorias: custom, naked e speed.

A seguradora simulou os custos de seguros para as motocicletas enquadradas em cada uma destas categorias e considerou que o proprietário e condutor seria um homem, casado, 35 anos, residente de bairros da Zona Sul da cidade de são Paulo e que utilizaria a motocicleta somente para lazer. 

Na categoria custom figuram motos destinadas à passeio, como as Harley Davidson. Trata-se de uma moto indicada para aficionados que têm um bom poder aquisitvo. “Tradicionalmente, esses modelos são adquiridos por quem admira o estilo de vida e que, portanto, são mais cuidadosos com o veículo”, aponta Ana Claudia. Para simular o preço do seguro de uma moto desta categoria, a Kalassa considerou o modelo Harley Davidson 883, ano 2010.

Neste caso, o valor da moto foi estimado em 23.000 reais e o custo com seguro, por ano, seria de 1.900 reais. “Dentre as motos, as que se enquadram nesta categoria contam com os valores de seguro mais baixos pois o perfil do seu comprador é diferente”, explica Ana Claudia.


De acordo com a corretora, quem compra esse tipo de moto geralmente são homens de mais idade, que têm verdadeiro apreço pela máquina e, de maneira geral, fazem questão de utilizar peças originais e mantêm a integridade mecânica e física do veículo sempre em dia.

Já motocicletas da categoria naked são consideradas motos de transporte diário e cilindrada mais baixa, indicada para percorrer vias urbanas. Motos da montadora Yamaha, como a FZ6 e a SRX 400 são exemplos da categoria naked.
Para simular os valores, a Kalassa considerou o mesmo exemplo de condutor e o modelo de moto usado para calcular o valor do seguro é a marca Triumph, modelo Tiger, que custa atualmente 30.000 reais. O valor do seguro, neste caso, salta para quase 4.000 reais por ano.

Já os preços dos seguros para as motocicletas enquadradas na categoria speed são muito mais altos. Nesta categoria as motocicletas tem design esportivo e atingem altíssimas velocidades, usadas em campeonatos como o Moto GP.Ana Claudia conta que já estipulou um seguro para esse tipo de veículo que custava 17.000 reais por ano. Entre as motos de velocidade, a freqüência de sinistros é muito maior e o perfil do comprador também é outro.

“Quem adquire uma moto como essa quer e gosta de velocidade, o que aumenta significativamente os riscos envolvendo o condutor e o veículo”, explica Ana Claudia. Os modelos de velocidade são importados, o que torna a manutenção cara, além de serem foco da atenção de ladrões de peças e motocicletas. “O índice de roubo nesta categoria é altíssimo, o que encarece muito o valor do seguro”, aponta Ana Claudia. Uma moto da marca Yamanha, modelo YZF R1, ano 2010, custa mais de 50.000 reais. O valor do seguro acompanha o valor da motocicleta, ele pode custar, por ano, mais de 7.000 reais.