Renda fixa é o melhor investimento desde o início do Plano Real

Ibovespa ficou em segundo lugar, mas teve um dos melhores desempenhos entre os índices de Bolsa de toda a América, diz Economatica

São Paulo – A renda fixa medida pelo CDI foi a aplicação com melhor retorno real – descontada a inflação pelo IPCA – desde que o início do Plano Real. As aplicações indexadas à taxa de juros tiveram rentabilidade real de 605% nos últimos 18 anos. O Ibovespa ficou em segundo lugar, com retorno real de 261,09% no mesmo período. O pior desempenho ficou por conta do dólar Ptax venda – taxa de câmbio média divulgada pelo Banco Central – que no período fechou com queda de 48,85%. As informações são de um levantamento divulgado pela Economatica.

A inflação descontada foi aquela medida pelo IPCA até maio de 2012. Veja na tabela abaixo o desempenho das principais aplicações desde o início do Plano Real, que completa 18 anos no próximo dia 30 de junho:

table.tableizer-table {border: 1px solid #CCC; font-family: Arial, Helvetica, sans-serif; font-size: 12px;} .tableizer-table td {padding: 4px; margin: 3px; border: 1px solid #ccc;}
.tableizer-table th {background-color: #104E8B; color: #FFF; font-weight: bold;}

Aplicação Retorno nominal de 30/06/1994 a 27/06/2012 Retorno descontado o IPCA* de 30/06/1994 a 27/06/2012
CDI 2.761,92% 605%
Ibovespa 1.365,82% 261,09%
Ouro 774,32% 115,38%
Poupança 723,82% 102,94%
Dólar Ptax Venda 107,64% -48,85%

(*) IPCA até 31 de maio de 2012
Fonte: Economatica


O mesmo levantamento mostra que, no período, o Ibovespa teve a segunda melhor rentabilidade real entre os índices de Bolsas da América Latina e Estados Unidos. O melhor desempenho ficou por conta do índice do Peru, e a pior com o Merval, da Argentina. O retorno do índice Bovespa foi calculado descontando-se a inflação medida pelo IPCA até maio de 2012, enquanto que nos demais países foram utilizados os índices de inflação locais e equivalentes ao IPCA no Brasil. Veja na tabela abaixo:

table.tableizer-table {border: 1px solid #CCC; font-family: Arial, Helvetica, sans-serif; font-size: 12px;} .tableizer-table td {padding: 4px; margin: 3px; border: 1px solid #ccc;}
.tableizer-table th {background-color: #104E8B; color: #FFF; font-weight: bold;}

Índice País Retorno descontada a inflação* de 30/06/1994 até 27/06/2012
IGBVL Peru 785,6%
Ibovespa Brasil 261,1%
Índice Prec Y Cotiz México 219,8%
Nasdaq – Composite Estados Unidos 162,3%
IGBC Colômbia 162,1%
Ipsa Chile 152,0%
Dow Jones Index Estados Unidos 124,3%
S&P 500 Estados Unidos 93,1%
Ind. Bursátil Ccas Venezuela 89,2%
Merval Argentina -19,0%

(*) IPCA até 31 de maio de 2012 ou equivalente em cada país
Fonte: Economatica

Enquanto a inflação antes do Plano Real atingiu uma média anual de mais de três dígitos, desde 30 de junho de 1994 até 31 de maio de 2012, sua média anual atingiu um máximo de 11,96% (IGPM). Todos os demais índices de inflação ficaram abaixo de 10% ao ano, em média.

table.tableizer-table {border: 1px solid #CCC; font-family: Arial, Helvetica, sans-serif; font-size: 12px;} .tableizer-table td {padding: 4px; margin: 3px; border: 1px solid #ccc;}
.tableizer-table th {background-color: #104E8B; color: #FFF; font-weight: bold;}

Índice Inflação média anual de 30/06/94 a 31/05/2012 Inflação média anual até 30/06/94 Data do início da série
IGPDI (FGV) 9,85% 364,6% 29/11/1968
IGPM (FGV)* 11,96% 1.874,9% 31/05/1989
INPC (IBGE)* 8,44% 468,2% 30/03/1979
IPC Fipe* 7,51% 1.649,3% 28/12/1989
IPCA (IBGE)* 8,28% 507,3% 28/12/1979

(*) Desde sua criação até 30 de junho de 1994 – ver data de início da série