Que título escolher ao trocar poupança por Tesouro Direto?

Internauta quer tirar 10 mil reais da poupança para investir no Tesouro Direto e pergunta qual o melhor título para investir em cinco anos

Dúvida do internauta: Tenho 10 mil reais na caderneta de poupança e gostaria de investir esse valor no Tesouro Direto. Qual é o melhor titulo público para um investimento feito em um prazo maior ou igual a cinco anos?

Resposta de Beto Veiga*:

Olá, pelas respostas que tenho dado, tenho insistido na tese da responsabilidade na indicação de investimentos. Embora você esteja fornecendo um prazo (cinco anos) para o investimento, há vários pontos que precisam ser esclarecidos antes que eu possa dizer se um título é melhor do que outro.

Dentre os vários fatores está a sua capacidade de compreensão do funcionamento dos títulos públicos nos quais seu dinheiro ficará investido. Confira como entender o Tesouro Direto sem complicações.

A aplicação em títulos públicos pelo Tesouro Direto requer alguns cuidados anteriores à aplicação, como a escolha da corretora, de modo a minimizar os custos e garantir praticidade (uma vez que fazer DOC ou TED pode ser, além de dispendioso, pouco eficiente). Por isso, é aconselhável verificar se há possibilidade de investir por meio de uma corretora que tenha conta no seu banco de movimentação. Veja como escolher sua corretora para investir no Tesouro Direto.

Com essa questão sanada, você tem a opção, de acordo com o seu perfil de risco, de escolher uma combinação de Letras Financeiras do Tesouto (LFT) e de Notas do Tesouro Nacional série B (NTN-B) com vencimento mais próximo ao prazo em que você pretende resgatar o valor investido.

Esta combinação pode partir de 0% dos recursos investidos em NTN-B para cima, sendo que 0% é a hipótese de mais baixo risco.

Finalmente, aconselho que qualquer pessoa, antes de investir, entenda muito bem o que está fazendo, para evitar decepções. Ninguém vai cuidar do seu dinheiro para você. E ainda que você contrate alguém para isso, sem saber o que está sendo feito, há um grande risco de ter decepções.

*Beto Veiga é doutor em economia pela Universidade de Brasília, ex-funcionário do Banco Central e consultor de valores mobiliários registrado na CVM. É autor dos livros “O Essencial sobre o Tesouro Direto” , “Tudo sobre CDB”, além do Blog “Beto Veiga – finanças desvendadas” e “Case com seu banco com separação de bens”.

Dúvidas, observações ou críticas sobre esta resposta? Deixe um comentário abaixo!

Envie outras dúvidas financeiras para seudinheiro_exame@abril.com.br.