Quanto custa alugar um imóvel nas férias de julho

Cidades que oferecem turismo de aventura têm opções de diária de R$120 até R$3.500

Praticantes de rappel, adeptos das caminhadas em trilhas de montanhas e fãs de descida de rios com corredeiras em bóias e botes infláveis têm opções de passeios e estadia em oito cidades das rotas de turismo de aventura a partir de R$120,00 a diária.

Já para quem prefere curtir o friozinho das férias de julho nas montanhas, a diária varia de R$163,33 a R$2.250,00 pelo aluguel diário de uma casa ou apartamento nas estâncias turísticas de Campos do Jordão, Serra Negra e Águas de Lindóia, três das cidades mais disputadas pelos turistas nessa época.

Turismo de aventura

A diária de R$120,00 foi o menor valor encontrado em pesquisa feita pelo Creci-SP (Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo) nas imobiliárias de Botucatu, Brotas, São Luiz do Paraitinga, Socorro, São Manuel, São Sebastião, Atibaia e São Pedro. O valor é quanto os proprietários pedem em São Sebastião, no Litoral Norte, por apartamentos de 1 dormitório, com ocupação geralmente limitada a quatro pessoas.

No outro extremo, a diária mais cara foi de R$3.500,00 por dia de aluguel de chácaras e sítios, com casas de até sete dormitórios em Botucatu, na região centro-sul do Estado. Imóveis com esse número de quartos têm permissão dos proprietários para a acomodação de até 30 pessoas.

Em São Pedro, a 190 quilômetros da Capital, cuja topografia atrai os praticantes de vôos de asa delta, há opções de casas e chalés de um dormitório por R$250,00 a diária e de quatro dormitórios por R$1.000,00. Em imóveis desse tipo com quatro dormitórios é possível acomodar de oito a 25 pessoas, dependendo das exigências dos proprietários.

Outra cidade bastante procurada por quem gosta de aventuras e esportes mais radicais é Brotas, estância distante cerca de 250 quilômetros de São Paulo. Lá, uma casa ou chalé de 3 dormitórios pode ser alugada por R$300,00 diários, em média, valor que sobe para R$400,00 se a opção for por chácaras e sítios. Para famílias menores, a opção são as casas e chalés de dois dormitórios, disponíveis por R$220,00 a diária.

“A locação de temporada é sempre uma ótima opção para quem deseja ter mais liberdade do que em hotéis e pousadas e pretende fazer o dinheiro das férias render mais”, afirma José Augusto Viana Neto, presidente do Conselho. Ele cita o exemplo da fazenda com casa de 15 dormitórios que pode ser alugada por R$1.000,00 diários em Botucatu. “Como ela pode acomodar até 50 pessoas, quem fizer as contas vai ver que esse valor da diária dividido pelo número de pessoas representará um gasto diário de R$20,00 para cada um”, explica. “Difícil, senão impossível, achar diária de hotel ou pousada por esse valor”.

Em algumas cidades, como São Manuel e Atibaia, a pesquisa achou poucas opções de imóveis em oferta, embora sejam centros de turismo com atrações interessantes. Já na pouco conhecida Socorro, a apenas 100 quilômetros de São Paulo, as imobiliárias têm à disposição para locações chácaras e sítios com diárias médias de R$212,50 (2 dormitórios), casas e chalés por R$350,00 (3 dormitórios) e chácaras e sítios com quatro dormitórios por R$459,75 a diária.


Férias na montanha

Férias com ar puro, passeios divertidos e lindas paisagens estão à espera dos turistas que se dispuserem a pagar de R$163,33 a R$2.250,00 pelo aluguel diário de uma casa ou apartamento nas estâncias turísticas de Campos do Jordão, Serra Negra e Águas de Lindóia.

As três cidades estão entre as mais disputadas pelos turistas que gostam de passar as férias nas montanhas e, este ano, têm aluguéis diários até 494,84% maiores que os do ano passado, segundo pesquisa feita pelo Creci-SP com as imobiliárias da região.

O menor aluguel diário para a temporada de julho, de R$163,33, está em Águas de Lindóia. Lá, por esse valor, se aluga um apartamento de 1 dormitório. E o maior valor de locação diária, naturalmente, foi encontrado em Campos do Jordão – as casas de 5 dormitórios estão sendo oferecidas por R$2.250,00, em média.

Em Campos, o aluguel mais barato na cidade é R$400,00 por apartamentos de 1 dormitório, valor 94,49% maior que o de 2010. Em Serra Negra, esse mesmo tipo de imóvel pode ser alugado por R$380,00 e, em Águas de Lindóia, por R$280,00.

O aluguel de uma casa de 4 dormitórios em Campos – R$1.075,00 a diária – custa mais que o dobro do que em Serra Negra, onde sai por R$450,00. Em Águas de Lindóia, a diária sai por R$1.000,00. Uma opção mais barata em Campos são as chácaras: a pesquisa encontrou ofertas de diárias a R$450,00 por casas com 2 dormitórios e R$500,00 para as de 3 dormitórios.

“Dependendo do período que se pretende ficar no imóvel, os corretores que fazem a intermediação podem conseguir descontos”, acrescenta, ressalvando que “não se consegue redução quando se deixa a locação para a última hora”, diz Viana Neto

Uma exceção à regra em Campos do Jordão são as casas de 3 dormitórios. O valor do aluguel diário desse tipo de imóvel na cidade está cotado a R$868,18. Em Águas de Lindóia, o aluguel sobe para R$1.150,00, 32,46% a mais.

Nas três cidades o número de pessoas que poderão ficar nos imóveis alugados é limitado pelos proprietários. De forma geral, as casas acomodam maior número de pessoas que os apartamentos, com a lotação variando de 2 a 4 para apartamentos de 1 dormitório; 4 pessoas para casas de 1 dormitório e até 12 pessoas para casas de 5 dormitórios.


Cuidados na hora de alugar

O presidente do Creci-SP lembra que sempre é importante tomar alguns cuidados na hora de alugar por temporada, como visitar o imóvel ou conseguir referências sobre a real existência da propriedade. “Há muitos exploradores da boa fé das pessoas, daí ser necessário ter muito cuidado com esse tipo de locação, que nunca deve ser feita por impulso”, alerta ele.

O procedimento ideal é que se faça um contrato, estabelecendo-se datas de entrada e de saída, valores de multas e forma de pagamento. “A combinação da forma de se fazer o pagamento é de livre contratação entre proprietário e inquilino, mas o usual é que 50% sejam pagos na reserva e os 50% restantes na data de entrega das chaves”, esclarece José Augusto Viana Neto. “As imobiliárias e os corretores de imóveis estão aptos e preparados a ajudar quem deseja fazer uma locação com segurança e tranqüilidade”.

Atrações

Campos do Jordão – A 180 quilômetros de São Paulo, com acesso principal pela rodovia Floriano Rodrigues Pinheiro (SP-123), a estância turística mais famosa do Estado tem atrações de todos os tipos para todos os gostos. Sem contar o Festival de Inverno, algumas das mais disputadas e visitadas são: a Ducha de Prata, formada por várias duchas artificiais, o Horto Florestal com mais de oito mil hectares de área preservada e grande área lazer com bosques, trilhas e áreas para churrasco e piquenique e o Morro do Elefante.

O morro fica a 1.800 metros acima do nível do mar e o acesso pode ser feito de carro ou pelo teleférico. Outra marca registrada da cidade é a Estrada de Ferro Campos do Jordão, que oferece passeio de quatro quilômetros pela cidade com um bondinho urbano ou uma viagem de 19 quilômetros até a cidade de Santo Antonio do Pinhal.

O ponto central do agito em Campos é a Vila Capivari. Em ambiente que lembra as charmosas e centenárias vilas européias, há uma grande variedade de lojas de artesanato, doces, enfeites e restaurantes e bares diferenciados. É muito visitado também na cidade o Palácio Boa Vista, que foi inaugurado em 1964 para servir de residência de inverno do então governador Adhemar de Barros. Hoje, seus quase três mil metros quadrados, com 35 ambientes e 105 cômodos, abrigam um acervo com mais de mil peças de mobiliário, porcelanas, peças religiosas, pratarias, pinturas e esculturas.

Serra Negra – Distante 152 quilômetros de São Paulo, com acesso principal pelas rodovias Anhanguera e Bandeirantes, a cidade tem entre seus atributos turísticos o monumento ao Cristo Redentor situado no alto do Pico do Fonseca, a 1.080 metros, o teleférico que faz o trajeto da praça João Pessoa ao Pico em uma extensão de 1.400 metros e os tradicionais trenzinhos Tia Linda e Maria Fumaça, que circulam pelas áreas centrais da cidade. No centro, é atração o conjunto aquático com várias piscinas, duchas, pista de patinação e a fonte Menino Jesus de Praga.

Há passeios tradicionais como ao Lago dos Macaquinhos, onde é possível alugar cavalos, pedalinhos e visitar a criação de macacos originários do local, e ao alto da Serra, a 1.310 metros, de onde é possível avistar mais de 10 cidades da região. O parque e represa Dr. Jovino Silveira é uma estação de tratamento de água onde estão disponíveis quiosques para piqueniques e churrascos, viveiro de pássaros, playground e a fonte Nossa Senhora de Lourdes.

Águas de Lindóia – Águas de Lindóia está a 163 quilômetros de São Paulo e tem como acessos principais as rodovias Bandeirantes, Anhanguera e Fernão Dias. A cidade é famosa por suas águas quentes medicinais e o destaque nessa área é a Thermas Regionais, um grande parque com várias piscinas, toboáguas, rampas de bóias, restaurantes. A represa Cavalinho Branco oferece a possibilidade de passeios de pedalinhos, bicicletas, charretes e a cavalo.

O Morro Pelado, a 1.400 metros de altitude, na divisa entre São Paulo e Minas Gerais, oferece uma visão panorâmica de toda a região. Vista tão bonita quanto essa se tem no Morro do Cruzeiro, a dois quilômetros do centro, onde a grande atração é a praça Adhemar de Barros com seus jardins de amplos espaços projetados por Burle Marx e uma bucólica fonte luminosa.


Botucatu – Dentre as principais atrações da cidade estão as cachoeiras, como a da Pedreira, a Paula Souza, a da Indiana, todas em áreas próximas. Há centros de lazer como a fazenda Pavuna, com lago e cachoeiras e trilhas de esportes radicais, e o complexo turístico Véu da Noiva, que tem represa e cascata com queda de seis metros.

A cidade é conhecida também por formações geológicas que possibilitam a realização de passeios por trilhas, escaladas, rappel. São exemplos, o Mirante das Três Pedras, os Morros do Peru e do Rubião Júnior. Há cinco museus na cidade, sendo um dedicado ao café, um às artes plásticas e dois às atividades e à cultura do peão de boiadeiro.

Brotas – Cidade que nasceu ligada à exploração agrícola baseada na cafeicultura, acabou se tornando centro do turismo de aventura por conta de suas belezas naturais e de sua localização privilegiada, em região central do Estado. É lá que está o rio Jacaré Pepira, um dos poucos ainda não poluídos. Suas serras abrigam várias nascentes e rios encachoeirados que serpenteiam por vales e encostas, ideais para praticar rafting, bóia-cross e canoagem.

Situado na área urbana, o Parque dos Saltos, com as quedas e corredeiras do rio que corta a cidade, é um dos cartões-postais de Brotas. No bairro do Patrimônio, no alto da serra, a represa do rio Jacaré Pepira facilita a prática de atividades de lazer como nado, pesca, esportes náuticos, passeios de barco e de caiaque.

São Luiz do Paraitinga – A 170 quilômetros da Capital, no meio da Serra do Mar e entre Taubaté e Ubatuba, tem um dos conjuntos arquitetônicos mais singulares e representativos do século XIX e é muito procurada por praticantes de caminhada, cavalgada, arborismo e raftting no rio Paraibuna.

Socorro – A cidade tem relevo montanhoso e clima ameno com muitos pontos de visitação e locais ideais para a prática de esportes radicais como bóia-cross, canyoning, trilhas, asa delta e mountain biking.

Os destaques da cidade são o Mirante do Cristo, a Pedra Bela Vista, o Pico da Cascavel, a Gruta do Anjo, o Parque Monjolinho, as nascentes do Rio do Peixe.


São Manuel – A cidade é uma das dez integrantes do “Polo Cuesta”, no planalto central do estado de São Paulo. O forte para aventura são os roteiros de Trekking e as trilhas que fazem parte do circuito de Ciclo turismo do Pólo.

A tradição da fé é marcante em São Manuel, sendo muito visitadas a Igreja Matriz, o santuário Santa Teresinha e a igreja de São Benedito. O distrito de Aparecida tem um santuário dedicado à padroeira do Brasil.

Em Agosto, no dia 15, acontece a Festa da Assunção de Nossa Senhora ao Céu, conhecida como Festa de Aparecida de São Manuel, que costuma atrair multidões de romeiros. No dia de Corpus Christi, as ruas enfeitadas atraem multidões de turistas.

São Sebastião – São Sebastião tem mais de 30 praias, rios, cachoeiras, trilhas e florestas de fácil acesso para a diversão dos turistas. E fica a pouco mais de 180 quilômetros da Capital. Para os que gostam de trilhas, há a do Ribeirão de Itu, em meio à Mata Atlântica, a da Pedra Lisa e a de Samambaiaçu e Serpente, a da Praia Brava, a da estrada da Limeira, entre outras.

Atibaia – Muito próxima de São Paulo, a apenas 69 quilômetros, Atibaia tem na Pedra Grande o principal ponto turístico, apreciado pela bonita paisagem e por servir de plataforma de salto para vôos de asa delta. O Parque Edmundo Zanoni oferece locais para passeios e caminhadas.

Outro bom local para caminhadas é o Parque das Águas, com suas áreas de lazer, viveiros de plantas, viveiros de eucaliptos. Entre uma atividade e outra, vale um passeio ao Museu Ferroviário Dinâmico, integrado ao complexo do Center Park de Atibaia, com playgrounds, lago artificial com pedalinhos e pista de motocross.

São Pedro – A cidade mistura o típico clima de cidade pacata de interior com a beleza natural da Serra do Itaqueri e suas inúmeras opções de esportes radicais e ecoturismo. Há locais na cidade em que se pode voar de balão, de parapente e de paraglider, com auxílio de instrutores e monitores. No mirante da Serra, no alto da Serra de São Pedro, a atração é a descida de tirolesa.

Há inúmeras cachoeiras espalhadas pela região da serra e mirantes em que se podem avistar cidades vizinhas. No centro, quiosques, lojinhas de artesanato, cafés e restaurantes compõem o cenário ideal para caminhadas.