Os melhores fundos para você investir

Inflação, novo patamar de juros, mercado de ações em baixa. Diante desse cenário, os fundos de previdência podem ser uma ótima opção para colocar o seu dinheiro

São Paulo – Escolher o melhor fundo de previdência complementar não é uma tarefa das mais fáceis. Para ajudá-lo nessa decisão, o Centro de Estudos em Finanças da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FGV-SP) analisou, a pedido da VOCÊ S/A, informações dos 500 maiores fundos de aposentadoria.

Desses, foram classificados os 200 PGBLs e os 200 VGBLs considerados cinco, quatro e três estrelas das maiores seguradoras do Brasil. O autor do estudo é o professor Ricardo Rochman, coordenador do mestrado profissional em economia da FGV-SP.

Foram selecionados os planos de previdência individuais que possuem pelo menos cinco anos (60 meses) de publicação de dados mensais dos fundos em que aplicam seus recursos e que estejam abertos a aportes de investimentos dos poupadores. Com base nesses dados, foram calculados a rentabilidade dos planos e seu risco.

A partir daí os fundos foram divididos nas seguintes categorias: renda fixa, balanceados até 15%, balanceados de 15% a 30%, balanceados acima de 30%, data alvo e multimercado. Dentro de cada categoria, os produtos de previdência foram ordenados de forma decrescente pela rentabilidade nos 60 meses findos em 31/05/2013.

Dos melhores fundos, 10% receberam cinco estrelas – eles atingiram maior rentabilidade. Os 15% seguintes ficaram com quatro estrelas e os 25% sequenciais com três estrelas. Duas estrelas foram concedidas aos 25% seguintes, e o restante ficou com uma estrela.


Os planos não foram ranqueados pelo nível de risco, pois em uma mesma categoria há riscos similares. É possível encontrar essa informação nas tabelas. Ela está organizada por seguradora, categoria de investimento, rentabilidade dos fundos nos últimos cinco anos, e, em seguida, pelo patrimônio líquido.

Como escolher o seu?

1 Para decidir sobre o fundo que sirva a seus planos de futuro, primeiro opte entre PGBL e VGBL. Essa escolha depende de sua situação tributária. Para o contribuinte que declara Imposto de Renda pela forma simplificada, o indicado é o VGBL. Já quem faz a declaração pelo modelo completo é beneficiado pelo PGBL.

2 Escolha a instituição que mais lhe pareça segura, tendo em vista seus planos futuros: quando vai se aposentar? Qual a renda que pretende ter? Quanto investirá em renda variável (RV)? 

3 Com essas considerações em mente, você poderá selecionar a categoria, conforme o volume de RV constante nela: renda fixa (0% de RV), balanceados até 15% de RV, balanceados de 15% a 30% de RV, balanceados acima de 30% de RV, data alvo (até 49% de RV) ou multimercado (cesta de produtos com até 49% de RV em carteira).

4 Planeje, por fim, os valores de seus aportes inicial e mensal, além do tempo do investimento, e acompanhe atentamente a rentabilidade e o risco que seu plano oferece.

As tabelas abaixo, um levantamento do Centro de Estudos em Finanças da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FGV-SP), mostram os melhores fundos de previdência para você investir seu dinheiro.

Clique aqui para abrir as tabelas