Os imóveis preferidos de quem está bem de vida em São Paulo

Imobiliária especializada em alto padrão traça o perfil dos compradores da alta classe média e dos ricos na cidade

São Paulo –São Paulo, principal centro financeiro e econômico do país, naturalmente concentra boa parte dos brasileiros que estão bem de vida. Um dos setores que se beneficiam diretamente dessa concentração de riqueza é o imobiliário. Para Alexandre Villas, sócio diretor da Imóvel A, a demanda por imóveis de luxo deve continuar a crescer em paralelo à economia do país.

Villas percebe que os compradores de imóveis residenciais podem ser divididos em grupos, com objetivos, gostos e mesmo faixas de preços diferentes. A ocupação dos compradores, no entanto, é muito variada e inclui executivos de grandes multinacionais do setor da tecnologia, mercado financeiro, comércio e serviços.

Apartamentos em estilo loft, de características mais compactas, são os favoritos de jovens executivos solteiros. “Estes compradores vão em busca de localização e praticidade”, explica Villas. Segundo ele, este jovem procura imóveis que ofereçam serviços como academias sofisticadas, raia de natação, conciérge, arrumadeira e espaço gourmet. “Os bairros mais procurados são Itaim, Vila Nova Conceição e Jardins”. A faixa de preço que mais atraí os compradores com este perfil varia entre 1,5 milhão até 3,5 milhões de reais.


Outro público que também presta muita atenção neste tipo de imóvel são executivos mais velhos, viúvos ou separados. “A única diferença é que os imóveis não são tão compactos pois ele, geralmente, já tem filhos.” Em geral, os executivos que não vivem mais em família procuram apartamentos sofisticados ou casas no estilo townhouse em bairros como Jardim Europa e Jardins Paulista e Paulistano. “Esse homem recebe um salário alto. Então dá preferência para imóveis com espaço gourmet, automação residencial e acabamentos de qualidade”.

Falando em casais, Alexandre também avalia dois perfis: os recém-casados e os que já tem filhos criados. “Quando falamos em jovens casais, falamos em apartamentos grandes, com 400m² de área útil e em bairros que se situem no meio do caminho entre trabalho e escola dos filhos”, explica o diretor. Esse público geralmente opta por bairros do centro expandido e tradicionalmente reconhecidos como regiões ricas, como o Jardim Europa, Paulista, Paulistano, Jardim Guedala, e o Jardim Lusitânia, nas imediações do Parque do Ibirapuera. Para comprar uma casa ampla e confortável, essas pessoas podem desembolsar entre 2,5 e 15 milhões de reais.

A procura por apartamentos também é grande. Imóveis em prédios contam com oferta maior que residências. No entanto, Villas diz que o primeiro impulso destes jovens casais na hora de comprar um imóvel para a nova família é o de procurar por uma bela casa. Na lista de exigências, muitas vezes citadas como “necessidades”, a nova casa tem de contar com jardim, piscina, espaço gourmet, banheiros separados para o homem e a mulher e uma suíte para cada filho.

Mas há também o importante grupo dos casais mais velhos, com idade acima dos 50 anos. Filhos criados e pais que continuam a viver em imóveis espaçosos e equipados, mas que já sentem o peso da casa vazia. Estes casais querem encontrar imóveis menores, mas amplos o suficiente para receber a presença dos filhos e netos. A metragem mais popular neste grupo são imóveis de 120m². As regiões mais procuradas são Higienópolis, Itaim e Jardins, onde o metro quadrado pode chegar a 30.000 reais.