Juro no crédito sobe em novembro e alta continua, diz Anefac

A expectativa da associação é de que a Selic volte a sofrer um aumento nas próximas reuniões e pressione as taxas de juros das operações de crédito

São Paulo – As taxas de juros das operações de crédito voltaram a subir em novembro.

A taxa média geral para pessoa física apresentou alta de 0,06 ponto percentual no mês, para 6,14%, e de 1,38 ponto percentual na taxa ao ano, para 104,43%, de acordo com a Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac).

É a maior taxa de juros desde julho de 2012.

Essa elevação pode ser atribuída, de acordo com a Anefac, à elevação da taxa básica de juros (Selic) no final de outubro, que fez com que a taxa passasse a 11,25%.

Como o estudo da Anefac analisou as taxas na passagem de outubro para novembro, não está incluída no cálculo a última elevação da Selic na reunião de semana passada do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central.

Em todo caso, a expectativa da associação é de que a Selic volte a sofrer um aumento nas próximas reuniões e pressione as taxas de juros das operações de crédito.

Na semana passada, o Copom acelerou a alta dos juros básicos para 0,5 ponto percentual, o que deve aumentar também o impacto no crediário.

Outro fator, de acordo com a associação, é o cenário econômico atual, que aumenta o risco do crescimento nos índices de inadimplência.

“Este cenário se baseia no fato dos índices de inflação mais elevados e juros maiores reduzirem a renda das famílias. Agregado a isto há o baixo crescimento econômico, o que deve promover o crescimento dos índices de desemprego”, dizem os analistas da Anefac.

Taxa de juros

Das seis linhas de crédito pesquisadas pela Anefac, todas foram elevadas no mês passado.

A taxa de juros das compras no comércio passou de 4,65% ao mês em outubro para 4,75% em novembro.

A taxa de novembro é a maior desde abril de 2012, quando chegou a 4,77%. A taxa do cartão de crédito cresceu 0,12 ponto percentual, passando de 10,78% em outubro para 10,90% no mês passado.

A taxa de novembro é a maior desde janeiro de 2000, quando chegou a 10,93% ao mês e 74,92% ao ano.

Para as empresas, a taxa de juros média geral apresentou alta de 0,05 ponto percentual no mês, de 3,44% para 3,49%, e de 0,87 ponto ao ano, de 50,06% para 50,93%, as maiores desde julho de 2012.

A taxa mais alta para empresas segue sendo a da conta garantida, ou cheque especial, com 5,94% ao mês, bem acima dos 1,96% do capital de giro e do 2,56% do desconto de duplicatas capital de giro.

Selic x Juros

Considerando todas as elevações da Selic promovidas pelo Banco Central desde março do ano passado até novembro, tivemos neste período uma elevação de 4 pontos percentuais, ou o equivalente a 55,17% da taxa anterior, que passou de 7,25% ao ano em janeiro de 2013 para 11,25% ao ano no mês passado.

Neste período a taxa de juros média para pessoa física apresentou uma elevação de 16,46 pontos percentuais, ou de 87,97% ao ano em março de 2013 para 104,43% ao ano no último mês.

Nas operações de crédito para pessoa jurídica houve uma elevação de 7,35 pontos percentuais, de 43,58% ao ano em março do ano passado, para 50,96% ao ano em novembro.

A Anefac acredita que seja provável que as taxas de juros das operações de crédito voltem a ser elevadas nos próximos meses, tendo em vista a elevação da Selic a 11,75% na semana passada, bem como a expectativa de haver novas elevações dela nas próximas reuniões do Copom.