Juntei meu primeiro milhão; onde investir o dinheiro?

Internauta tem um milhão de reais em dinheiro e quer saber se compra imóveis ou investe em aplicações financeiras

Dúvida do internauta: Juntei um milhão de reais nos últimos cinco anos e gostaria de saber o que é mais interessante no momento: manter esse dinheiro em caixa, direcioná-lo a imóveis ou investir em fundos de investimento e outras aplicações financeiras?

Resposta de Eliane Habib*:

A compra de imóveis tem racionais bem diferentes se você deseja comprar um imóvel residencial para sua moradia ou se pretende adquirir um imóvel residencial ou comercial para formação de patrimônio e geração de renda. Vejamos:

O imóvel para moradia própria pode ser muito interessante quando comparado ao aluguel que você está pagando atualmente ou diante de necessidades específicas de mudança de residência. Já o imóvel como investimento deve considerar: (I) a expectativa de valorização do seu valor de mercado e/ou (II) os rendimentos futuros advindos de locação residencial ou comercial.

O atual momento econômico indica muita cautela para compra de imóveis como investimentos. Há receios no momento quanto à possibilidade dos imóveis ainda apresentarem grandes aumentos de preços como no passado recente. Por outro lado, o valor do aluguel não passa muito de 0,5% a 0,7% do imóvel. Se o imóvel ficar vazio (o que os especialistas chamam de vacância) você arcará com grandes custos de condomínio e IPTU.

Diante de tanta incerteza, parece que o momento é de cautela. Bolsa agora não é um investimento indicado. Frente aos recentes aumentos das taxas de juros e das projeções de alguns economistas de que os juros ainda podem subir em 2014, parece indicado ficar com os recursos aplicados em baixo risco de crédito e com taxas de juros pós-fixadas (atreladas à Selic e ao CDI).

Se você procurar um CDB de bancos de primeira linha terá remunerações próximas a 95% do CDI. Se investir em fundos de investimento, terá de pagar taxa de administração, mas com um milhão de reais você encontrará alternativas com taxas de administração baixas. Está pode ser uma boa alternativa, mas não se esqueça de “brigar” por um fundo com taxas de administração baixas ou por uma boa rentabilidade no seu CDB.

*Eliane Habib é CFP, planejador financeiro certificado pelo Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros (IBCPF).

Perguntas, críticas e observações em relação a esta resposta? Deixe um comentário abaixo!

Envie suas dúvidas sobre alternativas de investimentos, envie um e-mail para seudinheiro_exame@abril.com.br.