IRPF 2016: Moeda Estrangeira

Guia EXAME.com do Imposto de Renda 2016 mostra como preencher a ficha Moeda Estrangeira, onde entram vendas de bens, direitos, aplicações e moedas no exterior

Na ficha “Moeda Estrangeira” da Declaração de IR devem ser informados ganhos de capital decorrentes de vendas de bens, direitos, aplicações financeiras e moedas em espécie no exterior.

Se o contribuinte realizou operações como essas no ano passado, o Imposto de Renda deveria ter sido recolhido mensalmente, ao longo de 2015, por meio do preenchimento do programa Ganhos de Capital Moeda Estrangeira 2015 (GCME2015).

Caso o GCMEP tenha sido devidamente preenchido, para declarar as operações, basta abrir a ficha “Moeda Estrangeira” e clicar em “Importar”, no canto inferior direito da tela. Assim, o programa auxiliar é incorporado à declaração e as informações são imputadas automaticamente no programa gerador do IR

Repare que dentro de “Moeda Estrangeira” existem três fichas: “Bens, Direitos ou Aplic. Financeiras”, “Espécie” e “Importação GCME 2015”. Caso seja necessário declarar ganhos com dinheiro em espécie, como no caso de uma operação de venda de dólares que gerou lucro, selecione a ficha “Espécie”; caso o ganho tenha sido registrado na venda de bens, como imóveis, ou com investimentos, selecione a ficha “Bens, Direitos ou Aplic. Financeiras”. A terceira ficha já permite importar diretamente o GCME 2015.

Caso o contribuinte tenha obtido ganhos de capital com operações no exterior, mas não realizou o recolhimento mensal por meio do GCMEP2015, é preciso acessar o programa Sicalc para calcular o imposto em atraso, acrescido de multas e juros.

Ir para o próximo passo: Renda Variável.

Esta página faz parte do Guia do IRPF 2016, de EXAME.com, elaborado em parceria com Rodrigo Paixão e Thiago Mirales, sócios da Atlas Tax Consulting. Clique aqui para ver o índice geral do guia.