Estes foram os melhores e piores investimentos de novembro

Fundos cambiais deram os maiores retornos do mês, enquanto os títulos públicos tiveram as maiores desvalorizações

São Paulo – Embalados pela alta do dólar, os fundos cambiais (fundos de investimentos que investem em moedas) foram o investimento que mais deu retorno em novembro. No mês, a rentabilidade desses fundos foi de 4,79%. O dólar encerrou novembro com alta mensal de 5,9%, cotado a 4,24 reais.

Os fundos cambiais são seguidos pelos fundos de investimentos em ações de small caps (que são as empresas de menor porte listadas na bolsa de valores), com alta de 3,18% no mês, e pelos fundos multimercados com investimentos no exterior, que subiram 1,84%, em média.

Na outra ponta, os títulos públicos tiveram alguns dos piores desempenhos do mês: o Tesouro IPCA+ 2050 com juro semestrais se desvalorizou em 6,43%, o Tesouro IPCA+ 2035 caiu 5,29% e o Tesouro IPCA+ 2035 com juros semestrais perdeu 3,6%. As variações dizem respeito ao preço de mercado dos títulos do Tesouro Direto, que só vale para quem possui um desses papeis e decide resgatá-los antes do vencimento. Quem carrega o título até a data final tem a remuneração contratada garantida e não tem perdas.

Os preços dos títulos públicos oscilam conforme a expectativa do mercado para os juros do país no futuro, e já começam a refletir um entendimento de que a taxa básica de juros do país, a Selic, atualmente na mínima histórica de 5% ao ano, deve em breve parar de cair.

Em 12 meses até novembro, a poupança teve o pior rendimento entre os 21 tipos de ativos verificados, com alta de 4,4% em um ano (vale ressaltar, entretanto, que a poupança é isenta de Imposto de Renda e o levantamento leva em consideração as rentabilidades brutas, isto é, antes do desconto de imposto).

Os fundos de ações de small caps, com alta de 42,8%, e os fundos de ações no exterior, que subiram 37%, tiveram os melhores desempenhos considerado o acumulado em 12 meses.

Veja a lista completa abaixo dos investimentos que mais subiram e mais caíram:

Ranking de investimentos de novembro (variação no mês):

Investimento Desempenho em novembro (em %)
Fundos Cambiais* 4,79
Fundos de Ações Small Caps* 3,18
Fundos Multimercados Investimento no Exterior* 1,84
Fundos de Ações Livre* 1,71
Fundos de Ações Indexados* 1,12
Fundos de Renda Fixa Investimento no Exterior* 0,81
Fundos de Ações Dividendos* 0,67
Fundos de Ações Investimento no Exterior* 0,62
Tesouro Selic 2021 (LFT) 0,41
Tesouro Prefixado 2020 (LTN) 0,4
Tesouro Selic 2023 (LFT) 0,39
Poupança** 0,32
Fundos Renda Fixa Simples* 0,24
Fundos Multimercados Livre* 0,12
Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 2021 (NTN-F) -0,15
Fundos Renda Fixa Indexados* -0,79
Tesouro IPCA+ 2024 (NTN-B Principal) -1,28
Tesouro Prefixado 2023 (LTN) -1,62
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2035 (NTN-B) -3,6
Tesouro IPCA+ 2035 (NTN-B Principal) -5,29
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2050 (NTN-B) -6,43

Referências

Investimento Desempenho em novembro (em %)
Ibovespa 0,95
Selic*** 0,42
CDI*** 0,42
IPCA**** 0,41
Dólar comercial 5,93

Confira o ranking de investimentos dos últimos 12 meses:

Investimento Desempenho em 12 meses (em %)
Fundos de Ações Small Caps* 42,79
Fundos de Ações Investimento no Exterior* 36,99
Tesouro IPCA+ 2035 (NTN-B Principal) 35,79
Fundos de Ações Livre* 33,44
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2050 (NTN-B) 30,13
Fundos de Ações Dividendos* 29,94
Fundos de Ações Indexados* 26,56
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2035 (NTN-B) 26,33
Tesouro IPCA+ 2024 (NTN-B Principal) 19,36
Tesouro Prefixado 2023 (LTN) 18,98
Fundos Renda Fixa Indexados* 13,82
Fundos Cambiais* 13,52
Fundos Multimercados Investimento no Exterior* 12,68
Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 2021 (NTN-F) 11,31
Fundos Multimercados Livre* 10,91
Fundos de Renda Fixa Investimento no Exterior* 8,93
Tesouro Prefixado 2020 (LTN) 7,16
Tesouro Selic 2021 (LFT) 6,10
Tesouro Selic 2023 (LFT) 6,09
Fundos Renda Fixa Simples* 5,10
Poupança** 4,40

Referências

Investimento Desempenho em 12 meses (em %)
Ibovespa 20,93
Selic*** 6,12
CDI*** 6,12
IPCA***** 2,67
Dólar comercial 9,93

*Até 25 de novembro, dado mais atual disponível na Anbima
**Até 28 de novembro
***O desempenho mensal se refere aos últimos 30 dias até a data de fechamento.
****Projeção da versão mais atual do Boletim Focus do Banco Central
*****Refere-se à prévia da inflação oficial do país, o IPCA (IPCA-15)

Fontes: Anbima, BM&FBovespa, Thomson Reuters, Banco Central do Brasil e Tesouro Nacional.

Para todos os investimentos, a orientação é sempre lembrar que a rentabilidade passada não significa garantia de rendimento futuro. Também é importante mencionar que o ranking de investimentos considera a rentabilidade bruta das aplicações no mês e nos últimos 12 meses, sem descontar Imposto de Renda.

Nas aplicações em fundos de ações, há IR de 15%. Nos fundos de curto prazo, a alíquota é de 22,50% para resgates em até 180 dias e de 20% para resgates depois de 180 dias. Nas demais categorias de fundos (longo prazo), a tributação segue tabela regressiva, em que a alíquota varia entre 15% e 22,5%, conforme o prazo de vencimento.

Os títulos públicos também são tributados pela tabela regressiva de IR. A poupança não tem cobrança de Imposto de Renda.

Conte com a ajuda da assessoria BTG Pactual digital na hora de investir. Abra sua conta!