Como organizar o orçamento para eliminar as dívidas

Especialista responde qual a forma mais efetiva de interromper o ciclo do endividamento

Dúvida da internauta: Sou funcionária pública e tomei um empréstimo de 30 mil reais para comprar um carro. No entanto, as despesas do veículo, como seguro e combustível, deixaram meu orçamento apertado. Eu penso em vender o carro para pagar a dívida e eliminar essa fonte de gastos. Mas, por causa da desvalorização do veículo, ainda não conseguirei quitar o valor total do empréstimo. Como resolvo essa situação?

Resposta de Ronaldo Gotlib*

O primeiro passo é revisar despesas e cortar gastos desnecessários. Com um orçamento mais enxuto, você terá maior facilidade para honrar seus compromissos financeiros. Além disso, ao evitar tomar novos empréstimos e pagar mais juros, reduz o risco de descontrole financeiro.

Vale pensar se você não está se concentrando apenas no corte de gastos pequenos, que não farão grande diferença no orçamento. Em alguns casos, pode ser mais efetivo repensar custos fixos e mais pesados (saiba como).

Caso não seja possível diminuir as despesas mensais, você pode tentar quitar a dívida devolvendo o carro. Se não tiver essa alternativa, uma forma de minimizar prejuízos é vender o carro e assumir uma pequena dívida para pagar o valor que irá restar do empréstimo.

Ao vender o veículo, você deve pedir para antecipar o pagamento da dívida na instituição financeira. Dessa forma, irá assegurar seu direito de  pagar juros menores pelo empréstimo.

Você também pode consultar um advogado para verificar se os juros e taxas cobrados não são abusivos. Caso contrário, é possível ingressar com uma ação na Justiça para reduzir a dívida e os valores pagos mensalmente.

Veja dicas para quebrar o ciclo do endividamento de uma vez por todas.

*Ronaldo Gotlib é consultor financeiro e advogado especializado nas áreas de Direito do Consumidor e Direito do Devedor. Autor dos livros “Dívidas? Tô Fora! – Um Guia para você sair do sufoco”, “Testamento – Como, onde, como e por que fazer”, “Casa Própria ou Causa Própria – A verdade sobre financiamentos habitacionais”, “Guia Jurídico do Mutuário e do candidato a Mutuário”, além de ser responsável pela elaboração do Estatuto de Proteção ao Devedor e ministrar palestras sobre educação financeira.

Envie suas dúvidas sobre dívidas, empréstimos e financiamentos para seudinheiro_exame@abril.com.br.