Como investir R$ 700 mil para viver de renda?

Internauta vai começar a consumir seu patrimônio, e precisa de aplicações financeiras que gerem renda

Dúvida da internauta: Tenho 57 anos e um patrimônio de 700 mil reais. Não tenho renda, logo dependo dos rendimentos das minhas aplicações para sobreviver. Tenho 400 mil reais investidos na poupança pelas novas regras, 100 mil reais em CDB e 100 mil reais no fundo de ações SPX Falcon. Como esse fundo vem dando resultados negativos, queria saber se deveria manter esse investimento ou realocá-lo em uma aplicação mais segura. Qual seria a sugestão?

Resposta de Oswaldo Sena*:

É um pouco difícil imaginar a sua real situação financeira, faltam outras informações que eu precisaria conhecer. Uma parte do seu patrimônio deve estar imobilizada, pois os investimentos que mencionou somam 600 mil reais. É desse valor que você vai retirar o necessário para prover as suas necessidades, hoje e no futuro.

Seus investimentos não me parecem adequados à sua situação. A poupança, apesar de segura, não vai lhe proporcionar os rendimentos mais altos de que você precisa quando comparada com outras opções (também bastante seguras) para esse valor.

Como o CDB é protegido até 250 mil por CPF pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC), você escolheu algum com boa rentabilidade (acima de 100% do CDI)?

O fundo mencionado certamente apresenta oscilações, mas tem obtido bons resultados em relação ao que se propõe. Talvez você tenha entrado exatamente num dos momentos de pico dessas oscilações. Acho que a pergunta deveria ser outra, como: este fundo é o mais indicado para a minha situação? O fundo foca em ganho de capital, enquanto acho que você deveria focar em geração de renda.

Como exemplo, você poderia direcionar uma boa parte para aplicações em títulos públicos via Tesouro Direto, como as NTN-B com vencimentos longos (no momento em que escrevo, a NTN-B com vencimento em 2050 paga IPCA + 5,85% ao ano). Elas pagam juros semestralmente. Além disso, visando geração de renda, poderia investir uma parte em fundos imobiliários de renda, que pagam uma boa remuneração mensal isenta de imposto de renda.

Outra possibilidade, ainda, seriam fundos de dividendos (fundo de ações composto por empresas boas pagadoras de dividendos), mas sabendo que estes podem apresentar maior volatilidade e menor retorno quando comparados a fundos imobiliários de renda.

A alocação dos seus investimentos atuais sem dúvida pode ser melhorada, mas minha primeira e maior preocupação é o equilíbrio do quanto pode ser obtido com segurança de seus investimentos com o seu custo de vida atual e futuro (os gastos médicos aumentam com a idade). A situação que você apresenta não é confortável. Há um risco real de que seus recursos se esgotem e ainda haja muita vida pela frente.

Você acumulou patrimônio durante uma fase anterior em sua vida, e agora está na fase de consumo. É necessário ter uma atenção especial durante essa fase. É preciso considerar que o seu patrimônio terá que ser suficiente para você viver por mais 45 anos (aproximadamente). Para tanto, vai ser preciso “consumir” aos poucos o “principal”, de forma controlada, para fazer com que ele seja suficiente durante todo esse tempo.

Em resumo, minha sugestão é que você faça uma pausa para reflexão imediatamente e procure um profissional para conhecer e avaliar melhor os riscos que terá que administrar. Juntos vocês poderão fazer um planejamento financeiro capaz de conduzi-lo com segurança ao longo desta jornada.

*Oswaldo Sena, CFP® é planejador financeiro pessoal e possui a certificação CFP® (Certified Financial Planner) concedida pelo Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros (IBCPF).