Bradesco liderou reclamações em maio, aponta Banco Central

O principal motivo de queixa foi a restrição a portabilidade de operações de crédito consignado

São Paulo – O Banco Central divulgou hoje a lista dos bancos campeões de reclamação no Brasil em maio. Em primeiro lugar ficou o Bradesco, com um índice de 15,64 de reclamações registradas entre seus 75,7 milhões de clientes no país.

O índice representa o número de reclamações procedentes dividido pelo número de clientes e multiplicado por 1.000.000. No total, o Bradesco registrou no mês 1.185 reclamações reguladas pelo BC consideradas procedentes.

Em segundo lugar ficou a Caixa Econômica Federal, com índice 9,63 de reclamações entre seus 76,1 milhões de clientes, ou 733 queixas, e em seguida o HSBC, que está sendo vendido no Brasil, com 8,73 de reclamações entre 10,2 milhões de clientes, ou 89 queixas.

O Bradesco já havia sido o banco com o maior índice de reclamações em abril, porém com um índice mais baixo, de 11,9. O principal motivo de queixa foi a restrição a portabilidade de operações de crédito consignado, 676, seguida de irregularidades relativas à confiabilidade, segurança, integridade, sigilo ou legitimidade das operações, com 76 queixas.

Outras 73 reclamações se referem a cobrança irregular de tarifa por serviços não contratados e 58 por débito em conta não autorizado.

O HSBC e a Caixa inverteram as classificações em abril, quando ficaram, respectivamente, nos segundo e terceiro lugares.

Na Caixa, a principal queixa se refere a integridade, confiabilidade, segurança e sigilo das operações e serviços, com 304, seguida de insatisfação com resposta recebida por reclamação feita ao BC e 49 por débito não autorizado em conta.

Já no HSBC, a principal reclamação foi débito incorreto em conta, com 11 queixas.

O Santander ficou em quarto lugar, com índice de 5,48, ou 177 queixas, seguido do Banco do Brasil, índice 4,23 e 236 queixas, e do Banco Votorantim, com índice 3,78 e 16 queixas.

O Itaú ocupa a sétima posição entre os bancos com maiores reclamações, com índice 3,67 e 216 queixas para um total de 58,8 milhões de clientes.

A principal fonte de reclamações foi a “restrição à realização de portabilidade de operações de crédito consignado relativas a pessoas naturais por recusa injustificada”.

Em seguida, os clientes reclamaram problemas ligados a “integridade, confiabilidade, segurança, sigilo ou legitimidade das operações e serviços”.