Banco Agiplan vira digital, muda nome e acaba com tarifa mensal

Tudo será feito via internet, através do aplicativo do banco, e os serviços serão cobrados separadamente conforme o uso

São Paulo — Depois da corretora Modalmais, agora foi a vez do Agibank, antigo Banco Agiplan, anunciar sua transformação para banco 100% digital. Em vez de oferecer somente crédito, ou serviços de financeira, o Agibank passou a disponibilizar também abertura de conta corrente, cartão de crédito e débito, transferências e pagamentos.

Tudo será feito via internet, através do aplicativo do banco, e sem cobrança de tarifa mensal —os serviços serão taxados separadamente conforme o uso, uma vez excedido o pacote básico gratuito ao qual o cliente tem direito ao abrir a conta no Agibank. As transferências via TED, por exemplo, custam 1,90 reais cada uma.

Segundo Marciano Testa, CEO e fundador do Agibank, a companhia está se tornando uma fintech e a mudança é parte do plano de investimentos de 750 milhões de reais em tecnologia até 2022, que foi anunciado no final do ano passado. “A tecnologia está no DNA da instituição, que investe obsessiva e continuamente na excelência operacional tecnológica.”

“Fomos a primeira instituição bancária do mundo a usar o número de celular como conta corrente, criando um ambiente onde, de forma disruptiva, transacionamos dinheiro da mesma forma que trocamos mensagens no dia-a-dia”, afirma Testa.

Além de já estar disponível no Brasil, o banco digital Agibank também vai estrear nos Estados Unidos ainda no primeiro semestre de 2018. “A abertura de novos mercados faz parte da estratégia de expansão da instituição, que já desenvolveu sua plataforma visando uma operacionalização em âmbito global”, comenta o CEO. “Depois dos EUA, o Agibank planeja alçar voos ainda maiores em outros continentes.”

Segundo o executivo, o banco tem aproximadamente 460 mil clientes hoje em dia, dos quais 100 mil são correntistas e 40 mil já recebem seu salário através do Agibank. “A nossa projeção para este ano é terminar dezembro com cerca de 500 mil correntistas”, diz.

“Temos espaço de crescimento principalmente no atendimento às pequenas e médias empresas. Os bancos grandes não têm uma solução barata para estes clientes pessoas jurídicas, como os MEI. Nós temos”, afirma Testa. “Nossa plataforma está pronta para que essas companhias façam suas transações bancárias, como pagamento de funcionários, por exemplo.”

Agências físicas

Apesar de ser um banco digital, o Agibank tem cerca de 500 agências físicas em todo o país, em cerca de 360 municípios, e planeja ampliar esse número para mil até 2020. Elas não são como as agências dos bancos tradicionais, com caixas eletrônicos e caixas físicos para saques e pagamento de contas —não há movimentação de dinheiro vivo nos pontos físicos do Agibank.

“Nesses lugares, os clientes recebem auxílio para fazer operações bancárias online e sanar qualquer outra dúvida que tiverem. Eles também podem solicitar pessoalmente a abertura de contas e outros serviços, como crédito pessoal”, explica Testa. “O ponto físico é muito importante no Brasil, pois é um ponto de conversão para o mundo digital. O cliente vai até lá, conhece o nosso serviço, recebe assessoria e depois passa a transacionar somente via internet.”

Quem opta por abrir uma conta em um dos pontos físicos do Agibank, além da assessoria presencial, também tem a vantagem de sair da agência com o cartão de crédito e débito em mãos e em funcionamento. “Não é um cartão provisório, é o cartão definitivo da pessoa mesmo, com seus dados todos, que é emitido na hora”, diz o CEO.

Já quem necessita movimentar dinheiro vivo através de uma conta do Agibank, como para fazer saques e pagamentos, por exemplo, tem três opções: utilizar os caixas da rede Banco24Horas ou da rede Cirrus ou ainda ir até uma agência bancária. “O cliente consegue pagar contas em dinheiro ou efetuar saques diretamente nas agências bancárias apresentando um QR code gerado no aplicativo de forma fácil e rápida”, diz o CEO.