As ações de small caps mais indicadas para setembro

O Índice Small Caps (SMLL), que reúne as empresas de menor capitalização na bolsa B3, fechou em alta de 0,5%, ligeiramente melhor que o Índice Bovespa

O Índice Small Caps (SMLL), que reúne as empresas de menor capitalização na bolsa B3, fechou em alta de 0,5%, ligeiramente melhor que o Índice Bovespa, que caiu 0,7% e reúne as maiores empresas do mercado.

Para o Bradesco, ações de empresas mais voltadas para o mercado doméstico devem se beneficiar da agenda de crescimento brasileira e apresentar fortes retornos por ação. E as empresas de menor porte, ou small caps, em geral, são mais voltadas para o mercado local e devem se beneficiar do cenário de juros mais baixos por um período mais longo, até o fim do ano que vem. Serão beneficiadas ainda pela liberação do FGTS e de outras medidas de incentivo do governo.

Ao mesmo tempo, o Bradesco acredita que as incertezas globais vão continuar significantes, reforçando a tendência de queda dos preços das commodities e das grandes empresas exportadoras.

A lista de indicações de dez corretoras acompanhadas pelo Portal do Pavini mostra uma grande diversificação. Apenas seis ações receberam mais de três indicações. Já 16 papéis tiveram duas indicações.

As mais indicadas têm o perfil do mercado interno. A lista inclui Tenda, voltada para a construção de casas para menor renda, a Via Varejo, de consumo de bens duráveis, e a CVC, de viagens.

Entre as indicações, chama a atenção o papel da operadora de telefonia Oi, que já foi a maior tele do país e está hoje em dificuldades, em recuperação judicial. A empresa foi indicada por três corretoras, que acreditam na virada da empresa.

As pequenas notáveis de setembro
Empresa Código Indicações
Tenda ON TEND3 5
Via Varejo ON VVAR3 4
CVC Brasil CVCB3 3
Unidas ON LCAM3 3
Oi ON OIBR3 3
Hermes Pardini ON PARD3 3
Alupar Unit ALUP11 2
Arezzo ON ARZZ3 2
Banrisul PNB BRSR6 2
Cesp PNB CESP6 2
Duratex ON DTEX3 2
Gerdau Met. GOAU4 2
Metal Leve ON LEVE3 2
Linx ON LINX3 2
Marfrig ON MRFG3 2
Marcopolo PN POMO4 2
PetroRio ON PRIO3 2
Randon Part PN RAPT4 2
SLC Agrícola SLCE3 2
Totvs ON TOTS3 2
Unipar PNB UNIP6 2

Segundo a Elite Investimentos, a Oi Brasil, após reportar um prejuízo de R$ 1,6 bilhão no segundo trimestre seguiu com más notícias. Primeiro, a troca do seu presidente após pressão de seus controladores a partir do mau resultado do 2º trimestre; e em seguida a notícia da Anatel que poderia intervir na companhia.

Tudo isso levou as ações ao preço mínimo de R$ 0,71. Na última semana de agosto as ações ganharam fôlego com o anúncio de interesse da americana AT&T na Telecom e da votação do novo marco regulatório das telecomunicações, que foi apressado pelo Congresso a fim de “salvar” a companhia.

Ainda assim, as ações ordinárias da Oi encerraram o mês de agosto com queda de 23%. Apesar dos fatores negativos, a Elite manteve as ações da companhia na carteira, diante dos possíveis gatilhos positivos que podem se concretizar nos próximos meses.

Segundo a Terra Investimentos, a Oi conseguiu homologar o novo plano de recuperação judicial da companhia, com uma boa redução no endividamento total, na alavancagem e no resultado financeiro. A corretora cita também a expectativa de negociação de ativos com players como AT&T, TIM, Claro ou Vivo.

O risco da operação é que o ambiente de concessões públicas é sujeito a grande influência governamental sobre as atividades da companhia. O setor é marcado também por concorrência elevada com players internacionais disputando espaço com a Oi diretamente e indiretamente, por meio da oferta de pacotes substitutos aos oferecidos pela empresa.

A Oi apresenta ainda alto grau de alavancagem financeira tanto nos múltiplos que comparam o total de dívida com o patrimônio líquido quanto com o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) da companhia. E a pespectiva ainda é de prejuízos líquidos elevados.

No caso da Via Varejo, a Elite cita a reestruturação na varejista, que se iniciou após um longo período de espera para o Grupo Pão de Açúcar concluir a venda das suas ações da Via Varejo. Hoje, o empresário Michel Klein, filho do fundador das Casas Bahia, é o maior acionista e presidente do Conselho de Administração.

A autonomia da companhia já pode ser vista, por exemplo, com o anúncio do novo “chief digital officer”, Helisson Lemos, que possui no seu currículo 17 anos no Mercado Livre e passagem na Movile (operadora de apps como iFood e Sympla).

Mas a restruturação ainda deve ter um longo caminho a percorrer, afirma a Elite. Essas mudanças devem proporcionar um novo fôlego para companhia focar no aperfeiçoamento operacional, estrutural e enfrentar as transformações digitais que vem ocorrendo do varejo.

Um fator importante pela escolha da Via Varejo, diz a Elite, é sua capilaridade e porte, que podem ser fatores importantes com a retomada da economia que já foi sentida na divulgação do PIB do 2º trimestre.

Já a Guide Investimentos cita a Tenda como um dos principais players do segmento de baixa renda, com sólida posição financeira para se beneficiar do cenário do setor de construção.

A empresa detém uma estrutura de capital conservadora, com baixa alavancagem, e tem sua atuação nas principais regiões metropolitanas do país, onde o déficit habitacional é menor.

A construtora e incorporadora tem apresentado uma melhora operacional nos últimos anos em meio ao forte desempenho de lançamentos e volume de vendas, beneficiando a margem bruta, e tem conseguindo reverter seu índice de distratos (quando o comprador desiste de comprar o imóvel e pede parte do dinheiro de volta). “Consequentemente, observamos uma forte geração de caixa nos últimos resultados”, diz a Guide.

A corretora destaca a melhora de sua eficiência operacional, fruto também do controle de custos e despesas. A Guide segue otimista com a Tenda, mas alerta para riscos de curto prazo: possíveis indefinições envolvendo recursos de Minha Casa Minha Vida.

Abaixo, as carteiras de small caps de cada corretora para setembro.

Corretora Empresa Ação Rent agosto
Coinvalores Marfrig ON MRFG3 8.9%
Trisul ON TRIS3
Unidas ON LCAM3
Eztec ON EZTC3
JHSF ON JHSF3
Marcopolo PN POMO4
Linx LINX3
ViaVarejo ON VVAR3
Hermes Pardini ON PARD3
CSU Card ON CARD3
Bradesco Totvs ON TOTS3 -4,1%
Santos Brasil ON STBP3
CVC Brasil CVCB3
Gol PN GOLL4
Cesp PNB CESP6
Itaú Unibanco Arezzo ON ARZZ3 -0,70%
Hermes Pardini ON PARD3
Unidas ON LCAM3
Minerva ON BEEF3
Usiminas PNB USIM5
Randon Part PN RAPT4
Ser Educacional ON SEER3
Tenda ON TEND3
Oi ON OIBR3
Totvs ON TOTS3
Santander Kroton ON KROT3 -4,11%
Duratex ON DTEX3
Cesp PNB CESP6
Iguatemi ON IGTA3
Cyrela ON CYRE3
Linx ON LINX3
Randon Part PN RAPT4
Unidas ON LCAM3
Mirae Estacio Part ESTC3 1,20%
Banrisul PNB BRSR6
Fleury ON FLRY3
CVC Brasil CVCB3
Odontoprev ON ODPV3
Taesa Unit TAEE11
Gerdau Met. GOAU4
ViaVarejo ON VVAR3
SulAmerica Unit SULA11
Transm Pta TRPL4
Necton Hermes Pardini ON PARD3 5,80%
Banrisul PNB BRSR6
Tenda ON TEND3
Lopes Brasil ON LPSB3
Marfrig ON MRFG3
Genial Invest Alupar Unit ALUP11 -2,03%
Unipar Carb. PNB UNIP6
Camil ON CAML3
PetroRio ON PRIO3
Tenda ON TEND3
Metal Leve ON LEVE3
Gerdau Met. GOAU4
SLC Agrícola SLCE3
Terra Invest Metal Leve ON LEVE3 ND
Unipar PNB UNIP6
SLC Agrícola SLCE3
Oi ON OIBR3
Marcopolo PN POMO4
Elite Investimentos ABC Brasil ABCB4 3,05
Arezzo ON ARZZ3
Le Lis Blanc ON LLIS3
Movida MOVI3
CVC Brasil CVCB3
Paranapanema ON PMAM3
Oi ON OIBR3
PetroRio ON PRIO3
Valid VLID3
ViaVarejo ON VVAR3
Guide Invest Alupar Unit ALUP11 -3,1
Duratex ON DTEX3
Tenda ON TEND3
Sanepar Unit SAPR11
Via Varejo ON VVAR3

*Esta matéria foi publicada originalmente no site Arena do Pavini