A menos de um mês da Black Friday, produtos ficam mais caros

Comparador de preços JáCotei mostra que preços valorizaram em média 5,7%

São Paulo – Faltando menos de um mês para a Black Friday os preços de produtos online de 16 categorias já estão, em média, 5,7% mais caros. É o que mostra um levantamento do comparador de preços JáCotei.

O levantamento analisou valores entre os dias 29 de setembro a 29 de outubro e inclui na pesquisa as categorias mais procuradas durante o evento de promoções do varejo, entre elas smartphones, geladeiras, TVs, fogões, aspiradores de pó, fritadeiras elétricas, pneus, lavadoras de roupas, notebooks e ar condicionado.

Pesquisa JáCotei Black Friday

Pesquisa JáCotei Black Friday

Pesquisa JáCotei Black Friday (JáCotei/Divulgação)

O campeão no aumento de preços é o microondas (11%), seguido por fraldas (9,7%), lavadora de roupas (9,2%), impressoras (8,2%), fogão (8,1%) e fritadeira elétrica (6,8%). O notebook foi a única categoria com variação negativa no período, na qual os preços caíram 0,4%.

Veja também

O reajuste de preços registrado na pesquisa exige cautela dos consumidores que desejam fazer compras na data. É necessário pesquisar o histórico de cada produto como forma de garantir descontos reais.

Ferramentas como gráficos de preços, oferecidas pelos comparadores, costumam registrar os valores de cada produto nos últimos meses e ajudam a não cair em promoções ao estilo “metade do dobro”.

Outra forma de monitorar preços é incluir os produtos de interesse em uma lista que avisa quando há algum reajuste no valor pelo site e por e-mail. É possível inclusive determinar o valor que se deseja pagar no produto. Quando o preço for alcançado, um aviso é enviado por e-mail.

Alguns sites também auxiliam o consumidor a encontrar os descontos verdadeiros da Black Friday por meio de um selo. O JáCotei, por exemplo, irá apontar quais produtos estão com o menor preço nos últimos seis meses. Eles serão marcados com o selo “Desconto Real”.

É aconselhável comprar em lojas confiáveis, após checar a reputação do site no ReclameAqui, e conferir os dados da empresa no site da Receita Federal. Comparadores costumam checar esses dados previamente.