7 conselhos financeiros que são uma verdadeira roubada

Conheça algumas recomendações sobre dinheiro que não passam de mitos ou ao menos não devem ser levadas ao pé da letra

São Paulo – É natural ouvir conselhos de amigos, parentes e até consultores sobre como gerenciar suas finanças, mas essas recomendações devem ser analisadas com cuidado. Algumas são tão repetidas que soam como regras absolutas, mas não são verdadeiras ou válidas em qualquer situação.

Para construir um patrimônio sólido é preciso entender que não existem fórmulas prontas para enriquecer. Situações imprevistas e mudanças no cenário econômico exigem que esses planos sejam adaptados constantemente. Nesses casos, não dá para continuar a seguir uma recomendação que deixou de fazer sentido.

Veja abaixo alguns conselhos financeiros que, em vez de te ajudar a acumular dinheiro, podem acabar gerando prejuízos.

1) Imóvel é o investimento mais seguro

A afirmação de que comprar um imóvel para obter rentabilidade com aluguéis é o investimento mais seguro está longe de ser verdadeira.

É o que diz Fábio Gallo, professor de finanças da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). “Assim como qualquer outro investimento, os imóveis têm diversos riscos. Apesar de o investimento inicial ser alto, a rentabilidade que o comprador espera obter com o aluguel do espaço ou com a valorização do imóvel não é garantida.” 

Geralmente, para compensar o investimento, é necessário obter um retorno mensal com aluguéis que fique entre 0,5% a 0,7% do valor do imóvel. Mas, com o aumento dos preços no mercado imobiliário do país nos últimos anos, quem comprou a unidade por um preço alto tem mais dificuldades para obter essas rentabilidades agora, diz o professor da PUC-SP. “O enfraquecimento da economia diminuiu a demanda por locação e compra de imóveis, o que provoca queda de preços no mercado”. 

Mesmo que o proprietário consiga obter essa faixa de rentabilidade no aluguel da unidade, Gallo aponta que, historicamente, é possível conseguir retornos iguais ou superiores no mercado financeiro. 

Na comparação com outras aplicações mais conservadoras, o investimento em imóveis tem uma desvantagem: pouca liquidez. É mais difícil vender a casa ou apartamento do que um título financeiro, principalmente se o investidor insistir em vender a unidade por um valor mais alto do que os compradores estão dispostos a pagar. 

2) Quebre seus cartões de crédito 

Quem nunca ouviu a recomendação de que a melhor coisa a fazer é se livrar do cartão de crédito ao passar por um descontrole financeiro? A não ser que você seja um consumidor compulsivo, o plástico não deve ser visto como a personificação de todos os males que prejudicam o orçamento

Se utilizado de forma controlada, o cartão de crédito pode, na verdade, ser um instrumento de planejamento financeiro, diz Gallo. “Ao dividir o pagamento de compras que não podem ser adiadas, o consumidor consegue controlar os seus gastos.”

O segredo, diz o professor, é utilizar o plástico apenas quando houver necessidade. “O consumidor não precisa esperar para pagar uma máquina de lavar à vista, por exemplo, contanto que as parcelas da compra caibam no seu orçamento.”  

3) Economize 10% do seu salário para a aposentadoria

É comum que especialistas recomendem economizar um determinado percentual da renda para a aposentadoria, como 10% do salário. Mas essa recomendação serve apenas como um estímulo, e não deve ser seguida ao pé da letra. 

O porcentual não leva em consideração, por exemplo, a idade e o salário do investidor. Uma coisa é juntar 500 mil reais em 30 anos. Outra é acumular o mesmo valor em apenas dez anos. No segundo caso, será necessário guardar muito mais dinheiro, o que irá exigir que o consumidor tenha uma renda maior ou invista um percentual maior do seu salário. 

O mais indicado, diz Gallo, é estabelecer um valor que se deseja receber durante o período da aposentadoria. Definida essa quantia, é possível estimar quanto será necessário investir por mês para obter o montante. “Feita essa estimativa, o consumidor pode ter de guardar 3% ou 50% do que ganha para atingir a meta, dependendo do seu salário”, afirma o professor da PUC-SP. 

É importante que os valores sejam flexíveis. Se houver dinheiro sobrando, por que não aumentar o volume investido? Assim, em caso de uma eventual perda de renda, é possível diminuir ou suspender a aplicação dos valores até que o orçamento volte a ficar equilibrado, sem que essa interrupção tenha impacto na reserva para a aposentadoria. 

4) Diversifique as aplicações financeiras

Diversificar investimentos é uma estratégia frequentemente recomendada por consultores financeiros. No entanto, o conselho não é válido para qualquer investidor. A estratégia só faz sentido para quem já tem uma quantia razoável aplicada.

Dividir o valor investido entre diferentes aplicações tem como principal objetivo diluir riscos e ampliar a possibilidade de ganhos. Quem tem pouco dinheiro para investir deve ter como foco inicial investimentos mais conservadores. Mesmo porque é difícil que o pequeno investidor consiga acessar aplicações mais sofisticadas e rentáveis. 

5) Investir é sempre o melhor caminho

Aplicar dinheiro apenas porque é indicado, sem ter um objetivo definido, pode não valer a pena. Acumular dinheiro não deve ser encarado como uma meta, mas como um meio de realizar projetos. 

Para quem está iniciando a carreira, por exemplo, pode compensar mais investir em cursos e viagens com o objetivo de aperfeiçoar habilidades profissionais. O retorno desses investimentos pode ser maior do que a rentabilidade registrada em uma aplicação financeira.

6) Preços em queda? É hora de comprar

Quantas vezes você já não ouviu, após uma queda expressiva da bolsa, que os preços das ações estão uma pechincha e é hora de comprar?

Aplicar dinheiro na baixa para vender na alta é uma máxima que exige cautela. Afinal, é necessário analisar se a queda de preços de um investimento já atingiu o fundo do poço e quando deve voltar a se recuperar.

Basta lembrar casos como o da OGX, petroleira do ex-bilionário Eike Batista. A ação da empresa, que chegou a valer 23,29 reais, começou a registrar queda diante de denúncias de irregularidades e problemas financeiros e alguns investidores resolveram comprar os papéis na baixa, na esperança de que a ação voltasse a subir. Mas a empresa acabou pedindo recuperação judicial e enfrentou diversos processos na Justiça. Resultado: as ações passaram a valer centavos, e os investidores continuam a esperar pelo retorno da aplicação. 

7) Pagar uma faculdade sempre compensa

O investimento em uma faculdade é sempre válido, pois garante melhores empregos e maiores salários? Do ponto de vista financeiro, esperar essa compensação, principalmente em um prazo curto, é arriscado.

Caso o estudante tenha de financiar o pagamento das mensalidades, esse risco aumenta ainda mais, pois será necessário adicionar ao valor das mensalidades as taxas de juros cobradas na linha de crédito escolhida.

Se a opção for por uma carreira com mercado de trabalho saturado, pode ser mais difícil conseguir um bom emprego e, como consequência, conseguir obter o retorno do investimento. Por outro lado, cursar uma universidade de renome pode ampliar as chances de ter essa compensação.  

Um estudo feito em 2014 pela Payscale, consultoria americana que compara salários, aponta que o retorno financeiro obtido por estudantes de instituições de ensino americanas renomadas, como o Massachusetts Institute of Technology (MIT), pode chegar a 2 milhões de dólares em 30 anos, enquanto a compensação obtida ao optar por faculdades com baixa classificação pode ser de apenas 148 mil dólares nesse mesmo prazo. 

Assim como é preciso escolher com muita calma em quais aplicações investir para que o retorno financeiro seja satisfatório, o estudante também deve escolher sua carreira e instituição de ensino com muito cuidado para não investir na faculdade errada.