11 corretoras recomendam dividendos para abril

Desempenho das carteiras recomendadas de dividendos superou o Ibovespa na maioria das corretoras em março

São Paulo – A recuperação do Ibovespa em março, com a alta de 7,04%, beneficiou também as carteiras recomendadas de ações que pagam bons dividendos. Todas as onze carteiras acompanhadas por EXAME.com tiveram forte alta no mês passado, e apenas três não superaram o principal índice da bolsa.

Segundo as corretoras, a alta da Bovespa foi puxada, sobretudo, pela melhoria no cenário internacional, com destaque para os Estados Unidos, e pela boa reação do mercado diante da queda de popularidade da presidente Dilma Rousseff, que se refletiu na alta das ações de empresas estatais.

As ações mais recomendadas para abril foram a Telefônica (VIVT4), que tem alta perspectiva de pagamento de dividendos neste ano, e a Tractebel (TBLE3), cada uma com seis indicações.

Dividendos

As empresas que pagam bons dividendos (lucros das companhias repassados a acionistas) geralmente são líderes de mercado ou atuam em segmentos com demanda estável.

Por essas razões, suas ações não sofrem como aquelas mais influenciadas pelo ambiente macroeconômico e tendem atrair mais investidores em momentos de baixa da Bolsa.

Por terem, em geral, baixa necessidade de reinvestimento no negócio são empresas mais defensivas e que conseguem repassar boa parte dos lucros aos acionistas.

As boas pagadoras de dividendos costumam se concentrar em setores de utilidade pública, como saneamento, energia e telefonia, bem como nos setores financeiro e de consumo inelástico, como fabricantes de bebidas alcoólicas e cigarros.

As carteiras de dividendos, portanto, são mais indicadas ao investidor menos arrojado, que busca retornos consistentes e menor volatilidade.

Veja nas páginas a seguir as carteiras recomendadas de ações que pagam bons dividendos.

Ativa

Desempenho em março: +9,48%. Desempenho em 2014: +2,84%.

Não houve alterações na carteira para abril.

Destaques do relatório: Não houve comentários específicos sobre a manutenção da carteira, mas os analistas afirmam que mantêm sua visão, já exposta nos últimos relatórios mensais, de ceticismo em relação ao cenário global para os próximos meses, sobretudo no que diz respeito a Brasil e China. Entretanto, eles acreditam que algumas teses de investimento permanecem válidas, e apresentam, ao mesmo tempo, sólidos fundamentos e interessantes potenciais de valorização.

Ação Preço-alvo (R$) Yield estimado Pesos
Ambev (ABEV3) ND 3,30% 20,0%
Bradesco (BBDC4) ND 3,80% 20,0%
Cielo (CIEL3) ND 3,70% 20,0%
Telefônica (Vivo) (VIVT4) ND 8,20% 20,0%
Tractebel (TBLE3) ND 6,40% 20,0%

Citi

Desempenho em março: +7,56%. Desempenho em 2014: -0,10%.

Não houve mudanças na carteira para abril.

Destaques do relatório: Cielo e Ambev são consideradas empresas com bom histórico de retorno e expectativa de crescimento neste ano, inclusive beneficiadas pela Copa do Mundo. A Ultrapar é uma empresa com boa previsibilidade de resultados e quem vem tendo desempenho surpreendente bom nos últimos períodos.

Já o BB Seguridade está posicionado em um setor de baixa penetração no Brasil, com alto potencial de crescimento. Seu modelo de negócios é defensivo, com boas perspectivas de geração de caixa, e há uma possibilidade de a ação vir a integrar a carteira teórica do Ibovespa. Finalmente, a CCR vem se beneficiando do fato de que alguns de seus projetos novos estão ganhando tração, tem modelo de negócios com proteção contra a inflação e tem excelentes perspectivas de crescimento.

Ação Preço-alvo (R$) Yield estimado Pesos
Ambev (ABEV3) 20,05 3,70% ND
BB Seguridade (BBSE3) 23,80 4,50% ND
CCR (CCRO3) 20,00 2,30% ND
Cielo (CIEL3) 72,50 3,50% ND
Ultrapar (UGPA3) 58,00 2,80% ND

Magliano

Desempenho em março: +10,17%. Desempenho em 2014: +3,60%.

Não houve alterações na carteira para abril.

Destaques do relatório: Os analistas apenas destacam a Taesa, no setor elétrico, que não será, na avaliação deles, atingida pela revisão tarifária, e vem apresentando forte Ebitda e bom retorno com dividendos (yield).

Ação Preço-alvo (R$) Yield estimado Pesos
Banco do Brasil (BBAS3) ND ND ND
Cemig (CMIG4) ND ND ND
Taesa (TAEE11) ND ND ND
Telefônica (Vivo) (VIVT4) ND ND ND
Tractebel (TBLE3) ND ND ND

*Matéria alterada às 15h08 com a rentabilidade da carteira da Magliano no ano de 2014.


Omar Camargo

Desempenho em março: +0,45% (dividendos) e +8,67% (carteira). Desempenho em 2014: +0,76% (dividendos) e +9,03% (carteira).

Não houve alterações na carteira para o mês de abril.

Destaques do relatório: As ações da Telefônica contabilizaram um dividend yield de 2,33% em março. Não há alterações para abril, mês para o qual são esperadas distribuições da Alupar e da Grendene.

Ação Preço-alvo Yield estimado Pesos
Alupar (ALUP11) ND ND 20,0%
CCR (CCRO3) ND ND 20,0%
Grendene (GRND3) ND ND 20,0%
Taesa (TAEE11) ND ND 20,0%
Telefônica (Vivo) (VIVT4) ND ND 20,0%

Planner

Desempenho em março: +8,02%. Desempenho em 2014: -3,60%.

Papéis incluídos: Eletropaulo, Helbor e Vale. Papéis retirados: Souza Cruz, Telefônica (Vivo) e Totvs.

Destaques do relatório: A Planner retirou três ações que já deram retorno (ficaram ex-proventos) e incluiu outras que ainda estão cheias de proventos para abril e que poderão mostrar boa valorização no período. A Eletropaulo propôs a distribuição de 69 milhões de reais em dividendos (43 centavos por ação), que deve ser submetida à aprovação da Assembleia Geral Ordinária prevista para 4 de abril. O yield estimado é de 5,10%.

A Helbor, por sua vez, está cheia de um dividendo anual de 0,5045 real, o que equivale a um yield de 6,34% no ano. Além disso, a ação foi bastante penalizada na queda recente do mercado, podendo mostrar recuperação, considerando que os números da companhia, embora abaixo da expectativa, são consistentes.

Já a Vale pagará a primeira parcela de remuneração ao acionista de 2014 em 30 de abril, no total de 4,2 bilhões de reais. Terão direito a esses proventos os acionistas da empresa no dia 14 de abril. O valor a ser pago por ação ordinária ou preferencial é de aproximadamente 92 centavos, um yield de 3,3%.

Ação Preço-alvo (R$) Yield estimado Pesos
AES Tietê (GETI4) 21,85 14,40% 20,0%
Eletropaulo (ELPL4) 8,50 9,40% 20,0%
Helbor (HBOR3) 7,93 5,00% 20,0%
Tractebel (TBLE3) 35,10 5,30% 20,0%
Vale (VALE5) 28,35 6,50% 20,0%

Rico/Octo Investimentos

Desempenho em março: +8,49%. Desempenho em 2014: -0,68%.

Não foram feitas alterações na carteira para o mês de abril.

Destaques do relatório: Os analistas do Rico, plataforma de investimentos da corretora Octo, mantiveram a carteira inalterada, por ainda enxergar forte volatilidade em ações antes defensivas. Resolveram permanecer com ações que pagam bons dividendos, aliadas a outras voltadas para o crescimento, que tenham apresentado consistência na entrega de resultados.

Ação Preço-alvo Yield estimado Pesos
Alupar (ALUP11) ND ND 12,5%
Banco do Brasil (BBAS3) ND ND 12,5%
Cemig (CMIG4) ND ND 12,5%
Grendene (GRND3) ND ND 12,5%
Cesp (CESP6) ND ND 12,5%
Taesa (TAEE11) ND ND 12,5%
Tractebel (TBLE3) ND ND 12,5%
Vale (VALE5) ND ND 12,5%

Santander

Desempenho em março: +4,61%. Desempenho em 2014: +4,28%.

Papéis incluídos: Banco do Brasil. Papéis retirados: Porto Seguro.

Destaques do relatório: Porto Seguro foi retirada da carteira por ter um potencial de alta limitado, se comparada à ação do Banco do Brasil. Além disso, o pagamento de seus dividendos ocorreu em março, e será distribuído em 10 de abril. Já o BB apresenta um dividend yield atrativo de 6,50%.

Ação Preço-alvo (R$) Yield estimado Pesos
Ambev (ABEV3) 20,00 4,30% 14,0%
Arteris (ARTR3) 20,00 3,68% 15,0%
Banco do Brasil (BBAS3) 28,00 6,49% 13,0%
BB Seguridade (BBSE3) 28,40 4,49% 17,0%
Itaú Unibanco (ITUB4) 41,00 3,60% 17,0%
SulAmérica (SULA11) 16,60 3,14% 12,0%
Ultrapar (UGPA3) 71,00 2,80% 12,0%

Spinelli

Desempenho em março: +6,93%. Desempenho em 2014: -3,21%.

Não foram feitas alterações na carteira para o mês de abril.

Destaques do relatório: Não foram divulgados comentários específicos sobre a carteira de dividendos. O relatório limita-se a destacar que são escolhidas ações com dividend yield atrativo e perspectivas de crescimento no longo prazo.

Ação Preço-alvo Yield estimado Pesos
Mahle Metal Leve (LEVE3) ND ND 20,0%
Natura (NATU3) ND ND 20,0%
Taesa (TAEE11) ND ND 20,0%
Telefônica (Vivo) (VIVT4) ND ND 20,0%
Tractebel (TBLE3) ND ND 20,0%

Um Investimentos

Desempenho em março: +7,40%. Não foi divulgado o desempenho acumulado em 2014.

Papéis incluídos: Lojas Renner e Ambev. Papéis retirados: Taesa e Valid.

Destaques do relatório: A Renner foi acrescentada na carteira por seu alto potencial de crescimento, tanto em vestuário quanto em artigos para o lar. Seus múltiplos são atrativos, sua receita é diversificada e há uma aceleração nas tendências de vendas.

Já a Ambev entra na carteira por sua liderança de mercado, com crescimento do consumo de cerveja nas regiões norte e nordeste, além de uma expectativa de grande pagamento de dividendos. A empresa tem baixo nível de endividamento e apresenta crescimento nas vendas de refrigerantes, mesmo após reajustes de preços.

Ação Preço-alvo (R$) Yield estimado Pesos
AES Tietê (GETI4) 20,00 4,50% 15,0%
Ambev (ABEV3) 19,50 6,00% 15,0%
CCR (CCRO3) 19,50 ND 15,0%
Lojas Renner (LREN3) 71,50 ND 15,0%
Tegma (TGMA3) 27,18 4,40% 10,0%
Telefônica (Vivo) (VIVT4) 53,50 7,10% 10,0%
Vale (VALE5) 44,20 ND 20,0%

Votorantim

Desempenho em março: +9,22%. Não foi divulgado o desempenho da carteira em 2014.

Papéis incluídos: CCR. Papéis retirados: Cielo.

Destaques do relatório: Os analistas da Votorantim corretora substituíram Cielo por CCR pelo fato de esta ter dividend yield elevado, devido à sua forte previsibilidade de fluxo de caixa. Além disso, os analistas estimam crescimento de 19% ao ano para o lucro da empresa nos próximos três anos.

Ação Preço-alvo (R$) Yield estimado Pesos
AES Tietê (GETI4) 21,80 ND ND
CCR (CCRO3) 20,00 5,0% ND
Mahle Metal Leve (LEVE3) 32,10 ND ND
Petrobras (PETR4) 25,00 4,9% ND
Santander (SANB11) 17,80 ND ND

XP Investimentos

Desempenho em março: +6,00%. Desempenho em 2014: +1,70%.

Não houve alterações na carteira para o mês de abril.

Destaques do relatório: A única mudança foi uma redução de peso nas ações da Telefônica após sua boa performance no mês, com subsequente elevação de BM&FBovespa.

Os analistas da XP acreditam que a companhia deve manter, no curto, médio e longo prazo, uma participação bem consolidada nas plataformas de negociação e pós-negociação de ativos financeiros, evoluindo no processo de integração verticalizada de seus negócios. Na concepção dos analistas, o patamar de valor para o ativo neste momento é injustificado, tendo em vista suas margens operacionais elevadas, retorno final e geração de caixa.

Ação Preço-alvo Yield estimado Pesos
Alupar (ALUP11) ND 6,00% a 8,00% 15,0%
Bradespar (BRAP4) ND 6,20% 10,0%
BB Seguridade (BBSE3) ND ND 15,0%
Cielo (CIEL3) ND ND 10,0%
Multiplus (MPLU3) ND 7,00% 15,0%
Telefônica (Vivo) (VIVT4) ND 8,00% 10,0%
Tractebel (TBLE3) ND 5,00% a 6,00% 10,0%
BM&FBovespa (BVMF3) ND 5,00% 15,0%