Um ano de conquistas para a BSBIOS

Impulsionada pela elevação da mistura obrigatória de biodiesel ao diesel, a gaúcha BSBios cresceu 40% e obteve a maior rentabilidade do agronegócio

Em março do ano passado, entrou em vigor uma resolução do Conselho nacional de Política Energética aumentando de 8% para 10% a mistura obrigatória de biodiesel ao diesel derivado de petróleo vendido no país. Com isso, a produção de biodiesel no ano atingiu o recorde de 5,4 bilhões de litros — 1 bilhão de litros mais do que no ano anterior. Foi um impulso e tanto para a gaúcha BSBios, a maior produtora de biodiesel do país, com cerca de 10% da produção total.

A empresa fechou o ano com faturamento de 746 milhões de dólares, um crescimento de 40% em relação ao ano anterior. O lucro foi de 30 milhões de dólares, com um retorno de 53% sobre o patrimônio — o maior entre as empresas do agronegócio. De acordo com Erasmo Carlos Battistella, seu presidente, a BSBios está pronta para dar um novo salto: “Reorganizamos a companhia, pagamos parte de nossa dívida, baixamos os custos e investimos em melhorias tecnológicas, aumentando a capacidade produtiva”.


576 milhões de litros de biodiesel é a capacidade total de produção por ano das duas usinas da BSBios, uma em Passo Fundo (RS), outra em Marialva (PR). Até o fim do ano, a capacidade deverá chegar a 828 milhões de litros.


8,4 bilhões de reais é quanto a BSBIOS contribuiu, de 2017 a meados de 2019, para a economia das cidades de Passo Fundo e Marialva. A empresa estima que em 2016 tenha colaborado, direta ou indiretamente, para a formação de 24% do produto interno bruto da cidade gaúcha e 35% do município paranaense.


18 milhões de toneladas é quanto a BSBIOS exportou de glicerina (material usado pela indústria de cosméticos) para a China no ano passado. Além disso, a empresa comercializou um total de 59.000 toneladas de farelo de soja para países como Alemanha, França, Holanda e Itália. As exportações ainda representam menos de 10% da receita da companhia.