Tendências 2019 | Produtos, das patinetes aos alto-falantes inteligentes

As novidades que vêm por aí, de carros elétricos a tecnologias “vestíveis” e eletrônicos que se integram ao ambiente

A VEZ DOS CARROS ELÉTRICOS

Os carros elétricos ainda estão na primeira marcha no Brasil, mas há sinais de que podem engatar a segunda em 2019. Quatro montadoras vão vender automóveis 100% movidos a eletricidade no país: a francesa Renault, com o Zoe; a japonesa Nissan, com o Leaf; a americana GM, com o Bolt; e a chinesa JAC, com o E40. Os quatro modelos chegam ainda em dezembro e vão multiplicar a oferta de carros elétricos no país em 2019. Até então, o único automóvel desse tipo aqui era o BMW i3 — há outros híbridos, que também podem ser abastecidos com gasolina. Ainda que os preços sejam altos, como no restante do mundo, fica claro o interesse das montadoras em apostar no mercado elétrico no Brasil.

A frota nacional desses veículos ainda é pequena: em 2017, foram emplacados apenas 3.296 carros elétricos ou híbridos, segundo a Associação Brasileira do Veículo Elétrico. A expectativa é que o número de 2018 cresça 60%. Ainda é pouco se comparado ao de carros elétricos vendidos no exterior. Na China, que lidera o setor, foram vendidas 500.000 unidades de janeiro a agosto de 2018. A França quer que os carros elétricos correspondam a 20% do mercado até 2020. O Reino Unido, a 14%. A Alemanha e a Noruega, por sua vez, pretendem acabar com os veículos movidos a combustão até 2030. De todo modo, há interesse do consumidor brasileiro.

Uma pesquisa do Centro de Estudos de Energia da Fundação Getulio Vargas e da consultoria Accenture estima que as vendas de carros elétricos no Brasil alcancem 150.000 veículos por ano, e a frota chegue a atingir 5 milhões até 2030. Para isso acontecer, no entanto, será preciso diminuir os preços e os impostos. “Muitos países estão se esforçando para reduzir os custos dos carros elétricos, e o Brasil não ficará de fora dessa evolução. Isso gerará demanda, que deverá puxar os incentivos do governo”, diz -Andrea Cardoso, diretora executiva da Accenture para a área automotiva. Ainda pode demorar um pouco, mas o futuro é elétrico.

RENAULT ZOECustando quase 150.000 reais, o recém-lançado compacto da Renault é o carro elétrico mais barato à venda no Brasil.O Zoe tem autonomia estimada de 300 quilômetros e, em um posto de recarga, fica com a bateria cheia em 2h30.Valor: a partir de 149.000 reais

EMOVE L8F
A patinete da brasileira Emove anda à velocidade máxima de 35 quilômetros por hora, é dobrável e pesa apenas 12 quilos. A bateria se recarrega em 5 horas.Valor: a partir de 3.990 reais

ANALOGUE PLUS AHEADFeito para andar de bicicleta ou patinete, o acessório pode ser grudado no capacete para ouvir música. O som é reproduzido por meio de vibrações no equipamento.Valor: a partir de 150 dólares

LEV E-BIKEOpção para as cidades com ciclovias, a E-Bike, da Lev, pesa 45 quilos e tem bateria que aguenta até 30 quilômetros.Valor: a partir de 4.890 reais

CHEVROLET BOLTMais caro do que o Zoe, da Renault, o modelo da Chevrolet também tem autonomia maior, de até 383 quilômetros, e é mais espaçoso.Valor: a partir de 175.000 reais

VESPA ELETTRICADe visual clássico, a scooter Elettrica é a aposta da tradicional Vespa no ramo dos veículos elétricos. Tem autonomia de 100 quilômetros, e sua recarga leva 4 horas.Valor: a partir de 6.390 euros

UM ENFEITE PARA A CASA

Os eletrônicos estão desaparecendo da sala de estar. Ou melhor, integrando-se cada vez mais ao ambiente. As TVs ficaram mais finas e quase sem bordas. Os alto-falantes e os roteadores Wi-Fi, mais discretos. E até mesmo objetos simples, como porta-retratos, já não são mais necessariamente meros itens de decoração. Do ponto de vista do design, fica claro que, hoje, muitos aparelhos são feitos para se “camuflar” no ambiente doméstico. E isso tem tudo a ver com outra tendência falada há anos: a da casa conectada. As vendas de aparelhos inteligentes dispararam nos últimos anos.

Uma análise da empresa de pesquisa de mercado Euromonitor estima que mais de 51 milhões de eletrodomésticos inteligentes (sem contar as TVs) foram vendidos no mundo todo só em 2018. O número deverá chegar perto de 100 milhões até 2023. Porém, não dá para dizer que os recursos oferecidos por eles sejam usados massivamente. “Para o usuário–padrão, esses aparelhos são muito complicados de instalar. As pessoas estão lidando melhor com essas tecnologias, mas ainda há uma enorme parcela de consumidores para a qual os equipamentos são difíceis de usar”, diz Werner Goertz, diretor sênior de pesquisas da consultoria americana Gartner.

Uma das formas de diminuir a resistência é facilitar a instalação e a configuração dos aparelhos, como tem feito a Amazon. A empresa lançou uma tecnologia chamada Wi-Fi Simple Setup, que faz com que novos aparelhos se conectem automaticamente à rede sem fio da casa. Outra forma é justamente integrar os aparelhos cada vez mais ao ambiente, para que seu uso se torne tão natural quanto acender uma lâmpada — seja tornando-os quase uma peça de decoração, seja, futuramente, integrando-os às paredes. A mesma Amazon já deu o primeiro passo nesse sentido ao investir na empresa californiana de casas pré-fabricadas Plant Prefab. Mas, por ora, o que veremos nas casas são eletrônicos cada vez mais discretos. 

B&O BEOPLAY A9A caixa de som da dinamarquesa Bang & Olufsen é poderosa: tem 480 watts de potência. Ela se conecta a celulares por Bluetooth, AirPlay ou DNLA e pode ser ligada, sem fio, a outras caixas para formar um sistema de som.Valor: a partir de 2.699 dólares

HAY SONOS ONEO alto-falante inteligente é feito pela americana Sonos, mas o design vem da grife holandesa Hay. O cérebro por trás da caixa de som é a assistente pessoal Alexa, que reconhece diversos comandos de voz (em inglês).Valor: a partir de 229 dólares

AURA FRAMEO porta-retrato conectado usa a rede Wi-Fi da casa e se liga a smartphones Android e a iPhones para exibir uma variedade ilimitada de fotos. Ele conta com tela grande, de 9,7 polegadas de diagonal, e com resolução de 2 048 por 1 536 pixels, maior do que a de uma TV de alta definição.Valor: a partir de 299 dólares

AIROCIDE APS-200Pode não parecer, mas esse objeto de formato inusitado é um purificador de ar. Ele usa uma tecnologia da Nasa, a Airocide, para eliminar fungos, bactérias e outros elementos de dentro de casa.Valor: a partir de 699 dólares

TV SAMSUNG Q7FNAs bordas finas e a espessura da TV 4K da Samsung já tornam o modelo discreto. Mas, quando desligada, ela se camufla ainda melhor graças ao chamado “Modo Ambiente”. Ele faz com que a tela exiba a textura ou as cores da parede atrás dela, em vez de deixar tudo preto.Valor: a partir de 8.199 reais

TP-LINK DECO M5Estes pequenos objetos circulares são, na verdade, um conjunto de roteadores Wi-Fi. Instalados em partes distintas da casa, os três funcionam como se fossem um só, cobrindo até 400 metros quadrados.Valor: a partir de 1.850 reais

HORA DE SE DESCONECTAR

Após anos de glórias, as redes sociais começaram a dar sinais de cansaço. Entre as mais populares de hoje, a maior e mais importante delas, o Facebook, foi a que mais sofreu em 2018. Seu faturamento vai bem, obrigado. Só que escândalos de privacidade que cercaram a empresa de Mark Zuckerberg, como o caso da consultoria Cambridge Analytica, deixaram sua imagem bastante arranhada. O número de contas ativas cresceu pouco trimestre a trimestre e a atividade dos usuários chegou a diminuir.

Uma pesquisa do instituto americano Pew Research Center aponta que, nos Estados Unidos, maior mercado da empresa, 42% da população deixou de usar, pelo menos por um tempo, a rede social em algum momento nos últimos 12 meses. E o desligamento não é apenas a reação aos escândalos: as redes sociais parecem mesmo ter esgotado as pessoas. O próprio Facebook já admitiu, em pesquisa divulgada no final de 2017, que usar demais a plataforma pode fazer com que as pessoas se sintam mal. Um estudo da empresa americana de análise de mercado Origin reforça esse risco e aponta que, pelo menos entre a geração Z (nascidos de 1994 em diante), 41% dos usuários de redes sociais dizem que essas plataformas os deixam ansiosos, tristes ou deprimidos. Como resultado, 34% desses jovens admitiram ter abandonado de vez as redes sociais.

Outra pesquisa, do Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), estima que, em todo o mundo, 630 milhões de usuários do Facebook sejam dependentes ou abusem no uso de internet e redes sociais. Só no Brasil, o número pode chegar a 37 milhões. “Essas tecnologias passam um falso senso de pertencimento, sentido e ação”, diz Eduardo Guedes, autor do estudo e fundador do Instituto Delete, grupo da UFRJ especializado no chamado “detox digital”. “Mas isso não quer dizer que as pessoas precisem parar de postar no Facebook. As redes sociais só não podem ser uma fonte de prazer.” 

RELAXATION HOODIEO moletom da inglesa Vollebak funciona como um “tanque de isolamento” portátil: o capuz fecha quase por completo e ainda tem espaço para fones de ouvido.Valor: a partir de 295 dólares

LIGHT PHONE 2Básico, este celular já arrecadou mais de 2 milhões de dólares em uma campanha de financiamento coletivo. Ele tem tela e-ink, como a do leitor de e-books Kindle, e basicamente faz ligações e envia SMS.Valor: a partir de 300 dólares

BARRACA SHIFTPOD 2Ideal para quem quer fugir da cidade e acampar sem sacrificar tanto o conforto, a Shiftpod 2 é uma barraca moderna feita com um tecido refletor de raios ultravioleta. Ela não esquenta tanto por dentro e ainda é espaçosa, com uma base de 4 x 4 metros.Valor: a partir de 1.499 dólares

FONE JBL DUET BT NCCom cancelamento de ruído, o fone Bluetooth da JBL é útil para ouvir música e ignorar os barulhos ao redor. A bateria aguenta até 15 horas.Valor: a partir de 899 reais

TAPETE MEU MUNDOPara relaxar sem agredir o meio ambiente, o tapete de ioga da Ekomat é feito de um material emborrachado que é biodegradável e reciclável.Valor: a partir de 360 reais

IPHONE XSO iOS 12, sistema que roda no novo iPhone XS, vem com um recurso chamado Screen Time. Nele, o usuário pode definir um limite de tempo para o uso de certos aplicativos. Quando esse prazo é atingido, o aplicativo é bloqueado, ajudando a não passar tempo demais no Facebook, no Instagram ou no Twitter.Valor: a partir de 7.299 reais