Cinebiografia de Dick Cheney, Família Soprano e longa cotado para o Oscar

Personagens à margem da lei nas telas e nas páginas — e de quebra a cinebiografia do ex-vice-presidente americano Dick Cheney

FILME

Coadjuvante do poder

Em tempos de polarização, o filme Vice — cinebiografia de Dick Cheney, vice-presidente dos Estados Unidos nos mandatos de George W. Bush — foi alvo de fogo cruzado. A mídia americana teve reações de amor e ódio. De um lado, aplausos por humanizar alguém que teve influência em três governos republicanos (Nixon, Ford e W. Bush). De outro, acusações de que o longa suaviza um crápula. Christian Bale está irretocável como Cheney e venceu o Golden Globe de melhor ator, curiosamente na categoria musical ou comédia, enquanto o prêmio de drama ficou com Rami Malek, o Freddie Mercury em Bohemian Rhapsody. No Oscar, se confirmadas as indicações, os dois devem competir.

Vice | Direção de Adam McKay | Estreia em 31/1


FILME

Cotidiano sensível

Como em seu trabalho anterior, Moonlight: Sob a Luz do Luar (vencedor de três Oscar em 2017, incluindo o de melhor filme), o diretor Barry Jenkins apresenta um drama sensível da comunidade afro-americana em Se a Rua Beale Falasse. É cotado para o Oscar e já venceu um Golden Globe (de melhor atriz coadjuvante para Regina King). O roteiro é baseado em uma obra de um gigante da literatura do século 20, James Baldwin, um batalhador pelos direitos civis. A história fala de dois amigos de infância que começam a namorar na vida adulta, até que o homem é acusado de um crime. O livro homônimo foi publicado em 1974. Agora a Companhia das Letras lança a edição brasileira (R$ 49,90).

Se a Rua Beale Falasse | Direção de Barry Jenkins | Estreia em 24/1


SÉRIE

Retorno à forma

O seriado True Detective foi muito celebrado em sua primeira temporada, em 2014, e destruído pela crítica e por fãs na segunda, em 2015. A produção entrou em pausa para se reorganizar. Foi bom. A terceira temporada chega avaliada como um retorno à boa forma inicial. Um novo par de detetives assume a trama, com Mahershala Ali (Oscar de melhor ator coadjuvante em 2017 por Moonlight) como protagonista e Stephen Dorff como parceiro de investigações. Serão oito episódios semanais. A estreia no Brasil, com a exibição dos dois primeiros, foi no dia 14 de janeiro, no canal por assinatura HBO e na plataforma de streaming HBO Go.

True Detective (3a temporada) | HBO (TV) e HBO Go (streaming) | 8 episódios em janeiro e fevereiro


LIVRO

Aula de entretenimento

Se existe um marco zero para o atual prestígio dos seriados de TV é A Família Soprano, sobre mafiosos de Nova Jersey. Desde sua estreia, em janeiro de 1999, na HBO americana, abriu espaço para tramas mais inteligentes e fotografias cinematográficas. E estimulou a mania por séries, que evoluiu até as atuais maratonas no streaming. Em comemoração ao 20o aniversário, sai nos Estados Unidos o livro The Sopranos Sessions, dos críticos Matt Zoller Seitz e Alan Sepinwall. Eles dissecam episódios e entrevistam o criador, David Chase — que, num ato falho, revela o destino que deu ao personagem Tony Soprano, que o episódio final deixou no ar.

The Sopranos SessionsDe Matt Zoller Seitz e Alan Sepinwall | US$ 30 (Amazon.com)