Cigarro: como a redução de impostos pode aumentar a arrecadação

Para reduzir o consumo de tabaco e arrecadar mais, o governo elevou os impostos. Resultado: produção oficial caiu e o contrabando cresceu

REDUÇÃO DE IMPOSTOS

A carga tributária alta não é um problema apenas pelo custo e pela complexidade: quanto maiores as taxas, mais avançam os produtos contrabandeados no mercado. Um estudo do Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social de Fronteiras mostra como a redução de impostos pode trazer ganhos nessa seara. Em 2005, uma lei baixou as taxas sobre produtos de informática. Os preços encolheram e minaram o mercado ilegal: as apreensões de pirataria caíram 70% de 2005 a 2016. No mercado de cigarros, ocorre o oposto. Para reduzir o consumo de tabaco e arrecadar mais, o governo elevou os impostos. O resultado foi que a produção oficial caiu e o contrabando de cigarros cresceu. Hoje, 45% das vendas são de produtos ilegais. Segundo o estudo, a criação de uma nova categoria de cigarros, com menos impostos, concorreria com produtos falsificados e poderia aumentar a própria arrecadação de tributos, dos 13 bilhões de reais, em 2016, para 18 bilhões, num prazo de três anos.

Toque para ampliar

STARTUPS

O MAPA DA DISRUPÇÃO NO BRASIL

Pessoas testam óculos de realidade virtual em São Paulo: o país tem startups que podem revolucionar negócios | Eduardo Anizelli/Folhapress

Uma pesquisa da aceleradora de startups Liga Ventures, em parceria com a Intel e a Tivit, analisou um banco de dados com mais de 7 500 startups brasileiras e concluiu que 193 delas estão desenvolvendo as chamadas tecnologias emergentes, aquelas que poderão revolucionar modelos de negócios em até dez anos. Estão nesse grupo inovações como as criptomoedas e a inteligência artificial. Elas podem ser aplicadas em diversas áreas da economia, como a Horus Aeronaves, que usa drones no agronegócio; a OriginalMy, que desenvolve a tecnologia blockchain para serviços financeiros; e a Neoway, que faz análise de dados para o varejo. Segundo o estudo, 45% das startups de tecnologias emergentes estão focadas nos segmentos de internet das coisas e análise de dados. Dois terços dessas startups surgiram de 2014 para cá.

Toque para ampliar

FUSÕES E AQUISIÇÕES

BONANÇA DEPOIS DA TEMPESTADE

Após uma queda aos níveis de meados da década passada em 2016, os negócios de fusão e aquisição de empresas voltaram a ganhar força no Brasil. É a conclusão de um levantamento da consultoria PwC, que analisou as operações feitas até agosto deste ano. Houve crescimento de 7% no número de negócios na comparação de -janeiro a agosto de 2017 com o mesmo período do ano passado. De 2010 a 2015, depois de ter obtido o grau de investimento das agências de classificação de risco, o Brasil passou pela sua melhor fase de compra e venda de empresas. Em 2016, o mercado minguou. A expectativa da consultoria é que 2017 feche com 650 transações. É uma -retomada em relação ao ano passado, quando foram rea-lizadas 597 operações, mas ainda longe das 897 de 2014 — ano do recorde histórico. “O mercado de fusões e aquisições está recuperando o ritmo. Em um ou dois anos, podemos voltar aos nossos melhores tempos”, diz Rogério Gollo, sócio da PwC.

Toque para ampliar

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. I like the helpul information you provide for your articles.

    I will bookmark your blog and check once more here frequently.
    I am slightly certqin I’ll learn lots of new stuff
    right here! Goood luck for the following!

  2. Aprender as melhores técnicas com divulgações contudo desde como acometer alguma dose também afilhados compadecimento aparelho destinado a comercializar os seus brigadeiros. http://coral.ufsm.br/ejor/?page_id=46