Visão Global — Geração de empregos tem sido desigual nos países ricos

Para os trabalhadores de 25 a 54 anos, o nível de emprego está praticamente igual ao de 2008, antes da crise financeira

PAÍSES RICOS

A aceleração do ritmo de crescimento da economia mundial desde 2016 tem ajudado a recuperação do mercado de trabalho nos países ricos, levando as taxas de desemprego nos Estados Unidos, na Europa e no Japão a cair aos menores níveis das últimas duas décadas. A criação de vagas, sem dúvida, é bem-vinda, pois aumenta o consumo e incentiva ainda mais a atividade econômica. No entanto, a melhora nos indicadores esconde uma realidade menos positiva. Em seu mais recente relatório sobre o desempenho da economia mundial, a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), formada principalmente por países ricos, aponta que a geração de empregos tem sido desigual e vem beneficiando mais os trabalhadores na faixa etária de 55 a 64 anos. Para os trabalhadores de 25 a 54 anos, o nível de emprego está praticamente igual ao de 2008, antes da crise financeira. Já a população mais jovem, de 15 a 24 anos, é a que mais perdeu participação no mercado de trabalho, e a taxa de emprego para esse grupo continua abaixo do nível de 2008. Para a OCDE, é preciso que os empregos sejam mais bem distribuídos para que haja de fato uma recuperação dos rendimentos da população.

Toque para ampliar


DESIGUALDADE SOCIAL

300 anos para sair da pobreza

Medellín, na Colômbia: o país tem a pior mobilidade social entre 30 nações | Joaquin Sarmiento/AFP Photo

Uma das consequências mais perversas da alta desigualdade social em países como Brasil, Colômbia e África do Sul é a baixa mobilidade social das famílias mais pobres. Enquanto nos países ricos menos desiguais os filhos e netos de pais pobres tendem a atingir uma renda e uma educação melhores, isso é praticamente impossível em países emergentes. Nos cálculos de economistas da OCDE, enquanto na Dinamarca uma família pobre leva somente duas gerações para alcançar o nível de renda médio da população, na Colômbia o intervalo é de até 11 gerações — o que equivale a mais de 300 anos. O Brasil não fica muito atrás. Por aqui, o tempo necessário é de nove gerações (a média mundial é de quatro gerações). Os dados fazem parte de um estudo minucioso da OCDE sobre a mobilidade social no mundo. Segundo a organização, para mudar a situação, os países precisam tomar mais medidas para que todas as crianças tenham acesso a educação de qualidade e também para reduzir os prejuízos de famílias que sofrem algum choque financeiro temporário — como desemprego, doenças e divórcios.

Toque para ampliar

TURQUIA

O RISCO EXTERNO

Toda vez que os Estados Unidos entram num ciclo de alta de juros como o atual, aumenta a preocupação de investidores com a situação dos países emergentes. Foi assim nas crises das décadas de 80 e 90, e é assim agora. Países que têm uma alta dívida externa, baixas reservas internacionais e um grande déficit em conta-corrente (a diferença entre o dinheiro que entra e o que sai do país) são os mais expostos a um choque externo. Olhando para o cenário atual, fica claro que a Turquia é um dos países onde há mais riscos. Isso explica por que a lira turca é uma das moedas que mais desvalorizaram neste ano, fazendo a inflação em 12 meses disparar. Ela chegou a 15% em junho, maior nível em dez anos. A recente decisão do presidente Recep Erdogan de nomear o genro ministro da Economia só colocou mais dúvidas sobre a capacidade do governo de lidar com a situação.

Toque para ampliar