“É preciso ter caridade para salvar a Grécia”

Segundo o empresário que lançou uma campanha para arrecadar dinheiro e tentar cancelar a dívida grega, a solução da crise está nas mãos dos cidadãos

São Paulo – A Grécia é a ferida aberta da zona do euro. em recessão desde 2008, o país parece sufocado por uma dívida pública de 280 bilhões de euros, uma das maiores do mundo quando comparada ao tamanho do PIB.

Para tirar o país do atoleiro, Peter Nomikos, um empresário dono de uma cervejaria em Santorini, lançou um movimento com nome em inglês: Greece debt free, ou Grécia livre de dívidas. A ideia é que cada cidadão doe 3 000 euros para a compra de títulos públicos — assim o problema da dívida seria resolvido. Em 40 dias, o movimento comprou o equivalente a 2,5 milhões de euros em papéis gregos.

1) EXAME – Um quarto dos gregos está desempregado. É justo pedir doações a eles agora? 

Peter Nomikos – Nenhum grego é forçado a doar nada. Doa quem quer. Vemos que alguns participantes de nossa campanha são cidadãos de outros países, engajados num objetivo comum: salvar a Grécia e ajudar a resolver a crise do euro. Se ganharmos escala, faremos a diferença.

2) EXAME – Como exatamente funciona sua proposta? 

Peter Nomikos – Com o dinheiro doado à nossa organização, compramos títulos do governo da Grécia no mercado ao menor preço possível. Hoje, eles são negociados pelo equivalente a um oitavo de seu valor real.

Em outras palavras, cada euro em títulos do país custa no mercado cerca de 13 centavos. Compramos esses papéis para cancelá-los antes de seu vencimento. Isso é como perdoar parte da dívida grega.

3) EXAME – Quanto foi arrecadado até agora? 

Peter Nomikos – Em apenas 40 dias de campanha, levantamos 350 000 euros, suficientes para comprar o equivalente a 2,5 milhões de euros da dívida grega. 

4) EXAME – Evangelos Marinakis, dono do clube Olympiacos, doou por seus 55 jogadores e funcionários. Que outras celebridades abraçaram a campanha?

Peter Nomikos – É claro que buscamos o apoio de gente conhecida. Mas identificar nossa campanha como um movimento de milionários seria reduzir a participação dos cidadãos comuns. Apenas a ação coletiva pode resolver a crise grega.

5) EXAME – O caso da Coreia do Sul, onde os cidadãos doaram ouro para tentar tirar o país da crise em 1998, foi uma inspiração? 

Peter Nomikos – Esse episódio é um belo exemplo de patriotismo. É difícil medir todo o seu impacto na solução do problema, mas certamente contribuiu para o país sair da crise mais rapidamente. O caso coreano foi uma grande inspiração.

6) EXAME – Os gregos consideram o salvamento da Grécia uma missão deles ou de outros países europeus?

Peter Nomikos – É inegável que os gregos são muito patriotas. Mas também é verdade que deixam a desejar como cidadãos. Muitos acham que já estão pagando a dívida do país ao suportar as medidas de austeridade adotadas pelo governo. Ninguém gosta, mas todos somos obrigados a conviver com isso. 

7) EXAME – Por que o senhor está bancando todos os custos da campanha?  

Peter Nomikos – Nossa entidade está tentando conquistar a confiança de uma sociedade em que governo, empresas e pessoas ricas não têm crédito. É difícil superar esses estereótipos. Se usássemos as doações para cobrir custos, a campanha seria menos atraente.

Por isso, assumi os gastos. É mais fácil que as pessoas acreditem no que fazemos se seu dinheiro for usado para uma única função: comprar títulos gregos.