Como fazer | O show tem de continuar

Como a Sony Music Brasil conseguiu lucrar em meio ao encolhimento mundial de 40% do setor fonográfico

A indústria fonográfica representa um dos casos mais emblemáticos de queda e renascimento após a disrupção digital. De 2001 a 2015, o faturamento do setor no mundo encolheu 40%, segundo a Federação Internacional da Indústria Fonográfica.

De lá para cá, as vendas voltaram a crescer com a ascensão dos serviços de streaming. Escaldadas com o baque, as gravadoras partiram em busca de novas fontes de receita. A Sony Music no Brasil criou uma área de desenvolvimento de novos negócios em 2016.

O caminho escolhido foi abrir frentes até então não exploradas em torno do ativo principal da empresa: o artista. O primeiro passo foi pensar numa maneira de valorizar a marca dos artistas, ajudando-os na promoção de shows próprios, sem depender de produtoras externas.

Ao mesmo tempo, a Sony passou a agenciar os artistas para fechar contrato publicitário com marcas, ao buscar contratos de licenciamento de música e de imagem.

Para comandar as novas iniciativas, Paulo Junqueiro, presidente da Sony Music no país, destacou o vice-presidente de finanças e operações, Wilson Lannes, que acumulou as funções. “Passamos a ampliar as possibilidades do artista dentro de casa”, diz Lannes. As mudanças já trouxeram resultado. Veja o passo a passo a seguir.

 (Arte/EXAME)