Blockchain é “tão revolucionária quanto a internet”

Para o diretor do Media Lab, do MIT, a tecnologia blockchain poderá tirar o poder de instituições financeiras

São Paulo — A tecnologia Blockchain, que permite as transações da moeda virtual bitcoin, poderá ser tão revolucionária quanto a própria internet. É o que diz Joichi Ito, pioneiro da internet no Japão e diretor do influente Media Lab do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, o MIT, nos Estados Unidos.

No laboratório onde surgiram invenções como a tela sensível ao toque, Ito encabeçou a inauguração do Digital Currency Initiative (algo como “iniciativa para moedas digitais”) em abril de 2015, com o objetivo de estudar maneiras de ampliar as aplicações do blockchain. Hoje o sistema permite o livre trânsito de bitcoin mundo afora, sem a regulação de bancos centrais ou a mediação de qualquer instituição. Para Joi, como é conhecido, a plataforma poderá tirar o poder das instituições financeiras à medida que ganhar mais utilidade. Ele deu a seguinte entrevista a EXAME.

Exame – Qual será a relevância da tecnologia blockchain nos próximos anos?

Joichi Ito – Similar ao surgimento da própria internet. Mover informação livremente pela internet revolucionou as comunicações e a mídia. Mover dinheiro pela internet tem um potencial parecido com o sistema financeiro.

Exame – E como isso vai mudar a vida das pessoas?

Joichi Ito – É um passo enorme em direção a uma estrutura completamente modificada do sistema financeiro. O blockchain permite que partes diferentes do mesmo sistema compartilhem registros do que aconteceu, sem que cada uma delas tenha de confiar individualmente umas nas outras. É revolucionário porque mostra que é possível guardar registros fieis de transações sem que nenhuma das instituições financeiras precise atuar. Além disso, é um sistema com alcance global.

Exame – Em qual estágio a tecnologia está?

Joichi Ito – Ainda estamos nos primeiros dias. A tecnologia precisa de muito investimento antes de ter o peso que o sistema financeiro tradicional tem hoje.

Exame – Quais são as aplicações mais interessantes dessa tecnologia hoje?

Joichi Ito – Pagamentos são as aplicações mais interessantes e a única maneira em que funciona na prática atualmente. As pessoas falam sobre instrumentos mais complexos, como títulos, ações e derivativos, mas são apenas ideias neste momento.

Exame – Qual é o propósito do digital currency initiative?

Joichi Ito – Um de nossos objetivos é desenvolver a tecnologia em bases sólidas de modo que possa suportar um grande número de usuários e uma ampla base de aplicações.

Exame – Haverá espaço para outras moedas virtuais, como o ethereum?

Joichi Ito – O ethereum usa a plataforma do blockchain, mas de forma diferente do bitcoin. Haverá espaço para os dois porque miram coisas diferentes. Bitcoin é essencialmente um sistema de transferir dinheiro e é muito simples. O ethereum tem o objetivo de se tornar uma plataforma para instrumentos mais sofisticados. Não há garantia de que nenhum vai prevalecer. Na internet, nenhuma das primeiras ferramentas de busca ou redes sociais prevaleceu no final.

Exame – Em circulação na internet, já existe o equivalente a 47 bilhões de dólares de bitcoin, que valorizou 1 000% nos últimos dois anos. Qual será o papel, no futuro, das criptomoedas na economia mundial?

Joichi Ito – O cenário mais provável é que essas moedas coexistam com moedas nacionais e ganhem mais circulação. Mas não acho que um dia se sobreponham a moedas nacionais em relevância global.

Exame – Grandes empresas como IBM e Cisco, além de investidores de risco, têm dedicado tempo e dinheiro para desenvolver a tecnologia. Existe uma bolha?

Joichi Ito – Sempre há certo efeito manada. Mas um aspecto relevante se torna uma vantagem sobre os investimentos iniciais na internet. Como é possível atribuir um preço ao bitcoin, torna-se mais tangível quanto cada aplicação pode ser valorizada.

Exame – Quais são os riscos potenciais à medida que a tecnologia ganha escala?

Joichi Ito – Se um tipo de software dominar todas as camadas do sistema financeiro, então uma única falha poderá ser catastrófica. É um argumento para optar pela separação das camadas do sistema financeiro processadas via blockchain, como dinheiro, títulos, ações, derivativos, e por aí vai. Uma maneira é usar um software que converse com os demais, mas que seja diferente.

Exame – Alguns dizem que o blockchain poderá ser um grande destruidor de empregos. Qual sua opinião a esse respeito?

Joichi Ito – Pode ser uma das tecnologias, ao lado da inteligência artificial, que vai reduzir os empregos no setor financeiro. Mas, como se viu em outras -áreas em outras épocas, as pessoas acham algo diferente e melhor para fazer. Na verdade, é algo bom porque o sistema financeiro já drenou muitos bons engenheiros, cientistas e matemáticos ao longo dos anos para trabalhar em atividades com valor neutro ou negativo, em vez de inovação produtiva. Essa é a perda real e poderá ser revertida ao automatizar boa parte do sistema financeiro.