Cartas & E-mails – A hora de juntar esforços

Confira cartas e e-mails que chegaram à redação de EXAME sobre a edição 1176 da revista

O texto assinado por Joel Pinheiro da Fonseca na última edição (Como unir o Brasil, 26 de dezembro) é tão confortador que decidi escrever para EXAME. Acho que, com tantas mudanças na política, que têm emanado do povo, é hora de a imprensa trabalhar com o máximo de isenção possível. Este é o momento de juntarmos os esforços para ajudar o Brasil a seguir um rumo que seja bom para todos. Precisamos apaziguar os ânimos e mostrar como o resultado, seja qual for, ajudará ou prejudicará a todos. É hora de torcer e dizer: “Para frente, Brasil!”

Antonio Rodrigues

Niterói, RJ


Capa

O otimismo com o novo governo brasileiro deve ser tratado com o devido cuidado (A realidade vai se impor, 26 de dezembro). Afinal, quais projetos serão implementados? Por certo, temos de ser otimistas, mas sem excessos. E não podemos ficar esperando: precisamos participar.

Uriel Villas Boas

Santos, SP


JUSTIÇA

Excepcional o artigo de Eduardo Oinegue sobre a insegurança jurídica imposta pelo Poder Judiciário (O país não merece isso, 26 de dezembro). É como ele disse: “Seria bom olhar em 2019 para bons projetos arrojados, como o que moderniza as agências reguladoras e o que controla os abusos do Ministério Público e do Judiciário, discussões que as corporações públicas querem evitar”.

Guilherme Pinheiro

Via Facebook


DESENVOLVIMENTO

Sobre a reportagem Uma aposta no futuro (26 de dezembro), não apoio nenhum desmatamento, principalmente sem avaliação ambiental e replantio. Se não cuidarmos de nosso planeta como um todo, não teremos outro e sofreremos as conse-quências. É uma mudança grande, e procuro fazer a minha parte.

Giane Stuart

Via Facebook


AUTOMÓVEIS

A abertura da economia, somada à redução de subsídios para o setor automotivo, seria uma medida mais eficiente para fortalecer o setor do que o aumento dos investimentos (80 bilhões para sair da lama, 26 de dezembro). É para deixar no mercado as empresas eficientes e competitivas, engajadas nas cadeias produtivas globais, vendendo internamente produtos melhores e com preços competitivos. Chega de almoço grátis para o setor automotivo e qualquer outro que faça uso do capitalismo pró-empresário, e não pró-competição.

Sales Rocha

Via Facebook

O preço dos veículos básicos no Brasil é o mesmo de um modelo premium nos Estados Unidos. As pessoas têm percebido que não é vantajoso ter um bem que desvaloriza anualmente. E, com o transporte por aplicativos, ficou mais vantajoso usar o automóvel apenas sob demanda. Carro, hoje em dia, parece ser um bom negócio só para quem ganha dinheiro com ele.

Matheus Araujo

Via Facebook

Se não houver acordo entre o governo e as montadoras para reduzir a alta taxação, não acredito que os investimentos darão certo. Hoje, não vejo necessidade nem estímulo para comprar um carro.

Alex Mariani

Via Facebook


ECONOMIA CRIATIVA

Entendo que a cultura é importante e movimenta a indústria criativa (O bom negócio de criar, 26 de dezembro), mas seria bom que o ingresso de grandes eventos fosse mais barato para facilitar o acesso.

Walmir Arraes Junior

Via Facebook


CORREÇÃO

O fundo Fator Debêntures Incentivadas é um fundo de renda fixa. O fundo Fator Max Corporativo tem investimento inicial de 1 000 reais (Onde Investir 2019, 12 de dezembro).


Comentários sobre o conteúdo editorial de EXAME, sugestões e críticas a reportagens

redacao.exame@abril.com.br

Fax (11) 3037-2027, Caixa Postal 11079,  CEP 05422-970, São Paulo, SP