Startup se une ao Airbnb para promover “viagens hereditárias”

Negócio de testes genéticos e gigante da economia compartilhada de apartamentos identificaram interesse em “viagens tão únicas quanto seu DNA"

Há diversos motivos para realizar viagens, de oportunidades de trabalho ao lazer — mas, para o gigante da economia compartilhada Airbnb, a nova moda é viajar para “conhecer suas raízes”, inclusive no Brasil. Por isso, a plataforma que conecta donos de mais de seis milhões de apartamentos com cômodos ociosos a viajantes a 100 mil cidades anunciou um reforço para impulsionar “viagens tão únicas quanto o seu DNA.”

O Airbnb se uniu à 23andMe, uma startup de análise de DNA que permite aos usuários descobrirem mais detalhes sobre heranças genéticas a partir de um teste de saliva que custa a partir de 99 dólares e pode ser feito em casa. “Nunca foi tão fácil aprender sobre a própria ancestralidade, o que contribui para uma tendência crescente de ‘viagens hereditárias’”, afirmou em comunicado a gigante da economia compartilhada de apartamentos.

Tanto o Airbnb quanto a 23andMe incorporarão as “viagens hereditárias” em seu catálogo. Quando um cliente da 23andMe receber seu relatório online de ancestralidade, poderá clicar em um link para encontrar imóveis e experiências na plataforma do Airbnb referentes aos países de seus ancestrais. Um descendente de mexicanos, por exemplo, encontraria um curso para aprender técnicas de coloração natural de tecidos, tradicionais no México. O Airbnb criou páginas dedicadas a cada população genética mapeada pela startup.

Veja também

A procura da ancestralidade no Airbnb

A parceria entre Airbnb e 23andMe não surgiu da intuição. A gigante da economia compartilhada encomendou no mês passado uma pesquisa com oito mil pessoas maiores de idade nos países Argentina, Austrália, Brasil, Estados Unidos, França, Índia, México e Reino Unido para entender melhor o sentimento e os planos de viagem com base na genealogia e na ascendência conhecidas.

Desde 2014, o uso do Airbnb para “viagens hereditárias” cresceu seis vezes — e é especialmente comum entre viajantes de 60 a 90 anos de idade. Cada consumidor possui em média cinco populações genéticas em sua ancestralidade, gerando uma grande oportunidade de viagens ou experiências para reconectar-se ao passado.

Cerca de 66% dos brasileiros entrevistados disseram que estariam mais propensos a viajar a países que representassem sua ancestralidade. Alguns deles apontaram que este era o maior critério ao decidir para onde ir nas próximas férias. Cerca de 61% dos brasileiros deixaria de tomar bebidas alcoólicas por um ano para realizar uma “viagem hereditária.”

Cromossomos e seus pais

Criada no ano de 2006 em São Francisco (Estados Unidos), a 23andMe obteve 786 milhões de dólares em investimentos de fundos aclamados como o Sequoia Capital; de gigantes como a farmacêutica GlaxoSmithKlein; e de personalidades como Sergey Brin, um dos fundadores do buscador Google.

Segundo a startup, o genoma de mais de cinco milhões de pessoas já foram testados. O objetivo vai desde verificar a probabilidade de desenvolvimento de doenças, como diabetes tipo 2 e doença de Parkinson, até entender a origem de características estéticas, como calvície.

Outro ponto importante é conhecer mais sobre suas origens, o que motivou a parceria com o Airbnb. Cerca de 53% dos compradores dos kits genéticos afirmam que decidiram fazê-lo para obter informações sobre sua ancestralidade ou a de sua família.

Startups ou gigantes, as empresas já estão de olho no interesse das pessoas pelos seus própria DNAs ao oferecer produtos e serviços.