Startup cresce focando MEIs com pouco tempo e dinheiro para redes sociais

Assistente de marketing em apps e redes usa inteligência artificial para aumentar alcance e diminuir custo nas postagens de micro e pequenos empreendimentos

O cientista da computação Rui Miaidaira percebeu uma oportunidade de negócio ao ajudar suas irmãs empreendedoras a prosperarem. Hoje, sua solução tem o potencial de atender os 49 milhões de empreendedores brasileiros.

Os conselhos dados para uma clínica dental e um spa bombarem nas redes sociais foram o início do Ahazou, um aplicativo de assistência no marketing digital de micro e pequenos empreendedores e negócios que promete economizar tempo e dinheiro por meio da inteligência artificial.

A ideia de negócio expandiu para além do segmento de beleza, sua primeira aposta, e atraiu 40 mil donos de empresas. Agora, a Ahazou trabalha na melhora de sua tecnologia junto com a gigante Google e prepara uma expansão internacional.

De portal de empregos a aplicativo de marketing

Com o sucesso de seus aconselhamentos, pensou em como digitalizar um segmento tão relevante para o país. De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec), em 2017 o setor faturou 47,5 bilhões de reais, alta de 2,75% sobre o resultado obtido no ano anterior. O Brasil é o quarto maior mercado de beleza no mundo, atrás de Estados Unidos, China e Japão.

Em 2013, Miaidaira criou o Carreira Beauty, portal de cursos e empregos para o setor. O Carreira Beauty passou por acelerações no InovAtiva Brasil, do Ministério da Economia, e na 500 Startups, com sede no Vale do Silício. Depois, obteve aportes de fundos como Monashees (ContaAzul, Elo7, Grin, Rappi, VivaReal) e Redpoint Eventures (Creditas, Gympass, Olist, Pipefy, Rappi, Xerpa).

O empreendedor passou a entender as principais dificuldades dos autônomos e pequenos estabelecimentos que se cadastravam no site — entre elas, o marketing. “Percebi que o negócio local se divulga principalmente pelas redes sociais hoje. Mas, para isso, precisa ter habilidades em conteúdo e design”.

Segundo estimativas de Miaidaira, um empreendedor gasta 10 horas por semana administrando sozinho as páginas de seu negócio nas redes. A outra opção é contratar uma agência ou freelancer especializado, por cerca de 1.000 reais mensais.

O aplicativo Ahazou, desenvolvido pela Carreira Beauty em 2016, possui planos de 29 a 49 reais mensais e afirma que os negócios atendidos ampliam em três vezes o alcance de suas postagens.

O assistente de marketing digital para micro e pequenos estabelecimentos cria imagens e conteúdos de acordo com acontecimentos do dia a dia e envia-os aos empreendedores de acordo com suas buscas. Um salão de beleza, por exemplo, receberia sugestões sobre penteados da premiação cinematográfica Oscar, tratamentos para feriados e festas ou dicas de beleza quando o clima está mais seco. É possível adicionar o nome e o logotipo do negócio em cada imagem. Os donos de negócio gastam cerca de três minutos por dia para postá-la nos canais desejados — os mais usados são Facebook, Instagram e WhatsApp.

A diminuição de custo aos empreendedores é possível por meio de um marketplace próprio de designers gerenciado pela Ahazou — experiência adquirida com o Carreira Beauty e que incentiva a concorrência de preços — e o uso da inteligência artificial na classificação de imagens de acordo com buscas.

A IA facilita a busca por ramo do estabelecimento, dia da semana, clima, região do país e cores preferidas, por exemplo. A inteligência também percebe o comportamento de uso dos empreendedores e envia alertas de quando é preciso postar e o quê. “Não somos apenas um banco de posts, e sim um valorizador da imagem do negócio. Geramos disciplina e damos conselhos de conteúdo, gestão, relacionamento com o cliente e vendas por meio dos nossos pushes no celular”, afirma Miaidaira.

Há cerca de 30 mil posts prontos para compartilhar no banco da Ahazou e 300 são produzidos por semana. A Ahazou atende 40 mil pequenos negócios em mais de 1.000 cidades, entre planos gratuito e pagos. Oito em cada vez deles são microempreendedores individuais (MEIs). Com doze funcionários, a startup cresceu 25% ao mês nos últimos doze meses.

Rui Miaidaira e equipe do Ahazou

 (Ahazou/Divulgação)

Próximos passos

A Ahazou começou atendendo negócios do setor de beleza, mas expandiu para outras verticais por perceber que a gestão de comunicação e marketing é um obstáculo para diversos micro e pequenos estabelecimentos. O aplicativo também atende empreendedores em segmentos como moda, gastronomia, saúde e pets.

Sua inteligência artificial será mais desenvolvida no Google Campus, por meio da aprovação da Ahazou na residência do prédio de empreendedorismo paulistano da gigante de tecnologia. A ideia é que ela evolua cada vez mais para um assistente virtual do empreendedor, que permitirá a pesquisa e postagem de imagens por meio de comandos de voz. Idealmente, seria como conversar com um freelancer.

Hoje, um quinto das buscas feitas no Google são feitas falando. Até 2020, a gigante espera que o uso da voz represente metade das pesquisas. O Brasil está entre os três mercados que mais usam seu assistente inteligente em smartphones em todo o mundo.

A Ahazou oferece suporte apenas para publicações orgânicas hoje, mas pretende dar sugestões também para posts patrocinados em ferramentas de publicidade como Facebook Ads e Google Ads. Por meio de um orçamento e um objetivo, por exemplo, indicará as melhores imagens e redes de postagem.

Em 2020, a startup expandirá sua solução para empreendedores brasileiros residentes no exterior, como Miami (Flórida, Estados Unidos) e Portugal. Mas a Ahazou sabe que os 49 milhões de empreendedores em solo nacional, cada vez mais buscando aparecer no mar de conteúdo das redes sociais e aplicativos de mensagens, já podem garantir-lhe anos de receita pela frente.