SP é melhor cidade do país para empreender, diz estudo

Índice de Cidades Empreendedoras mostra quais os melhores municípios para fazer negócios no Brasil.

São Paulo – A cidade de São Paulo tem o melhor ambiente para empreender do Brasil, de acordo com um estudo divulgado hoje. Em seguida vêm Florianópolis, Vitória, Recife e Campinas. Esta é a segunda edição do Índice de Cidades Empreendedoras, elaborado pela Endeavor.

O estudo considerou 32 municípios do país, entre capitais e cidades do interior com forte presença de empresas de alto crescimento (no ano passado, foram 14 cidades). Os indicadores considerados estão divididos em sete pilares: ambiente regulatório, infraestrutura, mercado, acesso a capital, inovação, capital humano e cultura empreendedora.

“Percebemos que muitas vezes os prefeitos acabam voando às cegas no estímulo ao empreendedorismo. Esperamos, com este estudo, poder auxiliar na melhoria do ambiente de negócios nas cidades”, afirmou o diretor geral da Endeavor, Juliano Seabra, durante o lançamento do estudo, em evento no espaço Cubo, em São Paulo.

Dentre os resultados analisados, alguns pontos merecem destaque. A capital paulista, por exemplo, se destaca no quesito acesso a capital. Já Florianópolis, tem bons índices de capital humano, enquanto Vitória e Recife têm bom acesso a ensino técnico.

Já a principal dificuldade no país ainda é o ambiente regulatório. “O ambiente regulatório no Brasil é uma tragédia. Dentre os municípios analisados, a cidade onde mais se demora para abrir uma empresa é Caxias do Sul, com 304 dias. Em Porto Alegre o processo leva 260 dias”, ressalta Seabra. Na capital gaúcha, a Endeavor agora atua com o poder público para reduzir esse tempo, através do projeto Simplificar.

Participaram do lançamento do estudo o prefeito de Vitória (ES), Luciano Rezende, o prefeito de Joinville (SC), Udo Döhler, e o empreendedor Wilson Poit, ex-presidente da Agência SP Negócios, de São Paulo. “Tem um máxima em gestão que diz que quem não mede não gere. E esse trabalho da Endeavor dá o diagnostico para as cidades”, afirmou Rezende, de Vitória.