InFarm capta US$ 100 mi, embalada por boom de fazendas verticais

A agricultura vertical tem como foco o cultivo em ambientes internos controlados, reduzindo o desperdício e o uso de água e pesticidas

A InFarm, uma startup de Berlim, informou que captou US$ 100 milhões para expandir fazendas verticais portáteis, impulsionada pelo contínuo interesse dos investidores no setor.

O novo investimento em dívidas e ações foi liderado pela Atomico, com sede em Londres, com o financiamento de empresas de capital de risco como Balderton Capital, Astanor Ventures, Cherry Ventures e TriplePoint Capital, segundo comunicado divulgado na terça-feira. A startup havia levantado cerca de US$ 34 milhões antes desta rodada.

A agricultura vertical tem como foco o cultivo em ambientes internos controlados, reduzindo o desperdício e o uso de água e pesticidas.

A InFarm usa pequenas prateleiras móveis de plantas que podem ficar em um corredor de supermercado ou em um depósito.

Veja também
Veja também

Os clientes da startup incluem redes de supermercados como Casino Guichard-Perrachon, Intermarché e Amazon Fresh na Europa, de acordo com da empresa.

O novo setor tem recebido uma enxurrada de investimentos. A empresa de entrega para supermercados britânica Ocado Group disse na segunda-feira que comprou uma participação de 58% na Jones Foods, a maior fazenda vertical operacional da Europa.

A Plenty, com sede em São Francisco, levantou US$ 200 milhões com o Vision Fund, controlado pelo SoftBank. O Google Ventures e o presidente do Uber Technologies, Dara Khosrowshahi, também investiram na startup de agricultura urbana Bowery Farming, de Nova York.

A InFarm foi fundada em Berlim, em 2013, por Erez Galonska, Osnat Michaeli e Guy Galonska e tem cerca de 250 funcionários. A empresa planeja iniciar operações no Reino Unido em setembro.