Hotsite orienta empresários sobre a Copa do Mundo

Endereço na internet concentra informações sobre oportunidades de negócios

Curitiba – Desde que entrou no ar em agosto de 2011, o hotsite criado pelo Sebrae no Paraná para divulgar ações do Programa Sebrae 2014 já conta com mais de dois mil empresários de micro e pequenas empresas cadastrados. O portal é apenas uma das ações desenvolvidas pela instituição para estimular empreendedores do estado a aproveitar oportunidades de negócios com a realização da Copa do Mundo de 2014.

O empresário cadastrado no hotsite tem acesso gratuito ao Manual da FIFA; à agenda de cursos e eventos; aos links relacionados ao Mundial; aos investimentos públicos que serão realizados em Curitiba e Região Metropolitana em razão de jogos; a um mapa com oportunidades para micro e pequenas empresas localizadas nas cidades-sede; e aos alertas setoriais de inteligência competitiva.

Aldo Cesar Carvalho, consultor do Sebrae no Paraná e gestor estadual do Programa Sebrae 2014, afirma que, quanto mais preparados estiverem os empresários, mais chances terão de fazer negócios e desenvolver seus empreendimentos. Segundo ele, as empresas que participam da iniciativa podem apresentar melhoria em processos e produtos, aumento da produtividade, da competitividade e da credibilidade, redução de custos, melhoria da imagem, maior adaptação às mudanças e melhores condições de atingir e manter o desempenho desejado nos negócios.

“Os alertas setoriais de inteligência competitiva são análises e recomendações feitas por uma equipe de consultores do Sebrae, com base no cruzamento de informações que têm impacto sobre a realização do evento”, explica. Carvalho conta que os alertas trazem informações dos setores que serão impactados pelo Mundial, como construção civil, tecnologia da informação e da comunicação, vestuário, agronegócio, turismo e artesanato e comércio varejista e serviços.


“O Programa Sebrae 2014 vai atender à demanda de preparação das micro e pequenas empresas para o Mundial por meio de soluções, como consultorias e projetos de inovação e acesso a mercados, entre outras”, reforça José Gava Neto, gerente de Programas Estaduais do Sebrae no estado.

O Mapa de Oportunidades para Micro e Pequenas Empresas nas 12 Cidades-Sede da Copa do Mundo de 2014, encomendado pelo Sebrae à Fundação Getúlio Vargas (FGV), aponta 554 oportunidades de negócios para pequenos empreendimentos em Curitiba e entorno. A relação de oportunidades foi extraída de uma lista de atividades nas quais as empresas de pequeno porte podem empreender com grande chance de sucesso. Os segmentos incluem compras governamentais e negócios feitos diretamente com o mercado.

Levantamento

No Paraná, o levantamento abrange construção civil, tecnologia da informação e comunicação, vestuário, agronegócio, turismo, comércio varejista.Alguns exemplos de negócios para micro e pequenas empresas são as agências de viagens, fornecedores de uniformes, empresas de terraplenagem, restaurantes e outros estabelecimentos de alimentação e bebidas. Assim como comércio de reparação e manutenção de equipamentos de comunicação, empresas de internet e infraestrutura de TI, produção de artesanato, design de produtos e embalagens, fornecedores de material e mobiliário de escritório, entre outras.

“A proposta do Sebrae no Paraná é que a Copa impulsione as micro e pequenas empresas a melhorarem de patamar e a manterem-se competitivas sempre, e não apenas em grandes eventos como a Copa. A ideia é que o evento deixe um legado de desenvolvimento, tornando os pequenos negócios ainda mais competitivos”, destaca Gava Neto.


O coordenador do Programa Sebrae 2014 no Paraná reforça que existe um trabalho especial de incentivo ao empreendedorismo, que visa orientar interessados em iniciar uma atividade empresarial aproveitando as oportunidades da Copa. Para disponibilizar informações aos empreendedores com a antecedência necessária, o Sebrae no estado pesquisou questões ligadas à legislação, aos licenciamentos e às regras impostas pela FIFA. Dados que foram buscados em países que já sediaram outras Copas.

Carvalho espera ainda que o aumento no fluxo de turistas no país cause impacto positivo no consumo interno e na economia, pois deve gerar entrada significativa de divisas, que serão captadas pelos segmentos da hotelaria, transporte, comunicações, cultura, lazer e comércio varejista. “A previsão é que o país receba aproximadamente 800 mil turistas em decorrência da Copa de 2014. Esse e outros fatores devem aquecer ainda mais a economia nacional”, ressalta o coordenador.

De acordo com estudo da Ernst & Young e da FGV sobre os impactos socioeconômicos da Copa, somente com infraestrutura e organização o Mundial irá exigir investimentos de R$ 22,46 bilhões. Além disso, a competição deverá injetar, adicionalmente, R$ 112,79 bilhões na economia brasileira, com a produção em cadeia de efeitos indiretos e induzidos. No total, o país movimentará R$ 142,39 bilhões adicionais no período 2010-2014, gerando 3,63 milhões de empregos por ano e R$ 63,48 bilhões de renda para a população.