Franquias brasileiras fora do país são tendência, aponta FDC

Levantamento da Fundação Dom Cabral revela pequenas e médias empresas que estão tentando a sorte mundo afora e alcançando sucesso no exterior

São Paulo – Com a globalização, marcas como Bob’s, Hering e Showcolate estão ganhando o mundo. É o que aponta o ranking das multinacionais brasileiras, divulgado hoje pela Fundação Dom Cabral (FDC). Reunindo informações sobre 63 companhias, o levantamento mostra que pequenas e médias empresas têm se aventurado (com sucesso) no exterior por meio da abertura de franquias.

Esse é o caso de 16 das firmas analisadas pelo estudo. No topo da lista das companhias com franquias bem-sucedidas está a Showcolate, rede de quiosques de fondue de chocolate. Presente em doze países, a empresa apresenta índice de internacionalização de 0,087. Em segundo lugar, ficou a LinkWell, firma da área de comunicação visual na internet; Em terceiro, a locadora de carros Localiza Rent a Car.

A quantidade de ativos, o número de funcionários e o tamanho da receita dentro e fora do país são os fatores levados em conta no cálculo do índice de internacionalização. Os valores considerados no levantamento são relativos a 2012.

Hoje, a maioria das grandes empresas brasileiras já atua fora do país. “O que está havendo agora é uma onda de empresas de pequeno e médio porte expandindo os negócios por meio de franquias”, afirma Sherban Cretoiu, professor do Núcleo de Negócios Internacionais da FDC e um dos coordenadores da pesquisa.

Prejuízo que compensa

De acordo com os números levantados pela FDC, a margem doméstica de lucro das empresas que atuam no exterior em 2012 foi de 13,85%. Já no exterior, a porcentagem do faturamento que se tornou lucro foi ligeiramente menor: 13,75%.


Apesar da diferença, há várias vantagens para a companhia que tenta a sorte fora do país. O aumento da capacidade de atendimento, a diferenciação em relação aos concorrentes e a valorização da marca são algumas delas. Segundo Cretoiu, outro ponto de destaque é o melhor ambiente corporativo. “Há empresas que dizem: ‘o exterior é um paraíso, nós não temos nenhum concorrente que faça caixa 2′”, comenta.

“Temos casos em que a presença de empresas foi solicitada por ministros e chefes de estado de outros países”, acrescenta o professor. A boa imagem do Brasil no exterior é um dos fatores que gera o interesse pelas firmas do país. Há ainda ações como a cooperação técnica com países africanos, intensificada nos últimos anos, que favorecem ainda mais a entrada de companhias brasileiras no mercado internacional.

Contra o Brasil, só mesmo incidentes diplomáticos – como, por exemplo, a oferta de asilo ao senador boliviano Roger Molina. “Esse é o tipo de situação que as empresas não percebem como favorável”, explica Cretoiu

Desde que a Localiza abriu sua primeira franquia na Argentina em 1992, diversas companhias brasileiras já tentaram a sorte no exterior. Na década de 1990, foram poucas as empresas que se arriscaram lá fora – como a Porto Seguro (Uruguai, 1994) e a Totvs (Argentina, 1997). Já nos anos 2000, houve o boom das franquias nacionais fora do Brasil. Ao todo, elas estão hoje em 22 países ao redor do mundo.


Ranking das franquias

A seguir, veja o ranking das empresas com ranking 2013 de internacionalização de franquias brasileiras – de acordo com os dados divulgados hoje pela Fundação Dom Cabral:

Posição Empresa Índice de Internacionalização
1 Showcolate 0,087
2 LinkWell 0,084
3 Localiza Rent a Car 0,076
4 Tostare Café 0,035
5 Spoleto 0,025
6 Chilli Beans 0,020
7 DepylAction 0,020
8 Hering 0,014
9 Arezzo 0,010
10 Magrass Franchising 0,009
11 Hope 0,009
12 Colcci 0,005
13 Bob’s 0,004
14 First Class 0,003
15 Emagrecentro 0,003
16 Mundo Verde 0,003