Franquia de microcafeterias prevê abertura de 40 lojas em 2020

Hoje com 13 unidades, a The Coffee propõe qualidade e rapidez para o consumidor e, ao franqueado, operação enxuta com baixo custo de aluguel

São Paulo – Com a proposta de oferecer café de qualidade e com rapidez, a curitibana The Coffee se prepara para abrir 40 lojas em 2020. O diferencial para atrair mais franqueados está no minimalismo: unidades com cerca de 6 metros quadrados, apenas um funcionário e autoatendimento, feito através de um tablet ou aplicativo no celular do cliente.

Fundada por três irmãos de Curitiba, apaixonados por café, design e pelo Japão, a The Coffee tem seis unidades na capital paranaense, sete na capital paulista e está para abrir sua primeira franquia em Florianópolis, Santa Catarina. O design é inspirado nas cafeterias do Japão, que na maioria dos casos são extremamente compactas – pela óbvia falta de espaço.

“No nosso modelo, os espaços são menores e o aluguel também. Optamos por ganhar no volume. O franqueado precisa apenas contratar um atendente”, diz Alexandre Fertonani, sócio-fundador da empresa.

Ele ressalta que a The Coffee só contrata baristas, que são especialistas em café. O piso salarial, segundo o empresário, é cerca de 30% superior ao salário mínimo.

Embora as lojas tenham, em média, 6 m², o franqueado precisará de pelo menos o dobro do espaço para estoque. A operação toda pode ser tocada por apenas uma pessoa, salienta Fertonani. No horário de pico (geralmente após o almoço), recomenda-se mais um barista para o atendimento.

A tecnologia, segundo o empresário, também é um dos trunfos do negócio. O cliente faz o pedido através de um tablet, que fica instalado no balcão, e finaliza com pagamento feito por cartão de débito ou crédito – os estabelecimentos da The Coffee não aceitam dinheiro.

Aplicativo The Coffee: o cliente pode pagar através do celular

Aplicativo The Coffee: o cliente pode pagar através do celular (The Coffee/Divulgação)

O investimento necessário para abertura de uma franquia é de 100 mil reais e a empresa promete tempo médio de retorno de um ano e meio. O capital de giro para estoque inicial é de 10 mil reais.

O principal insumo da empresa, o café (100% arábica), vem do interior do Paraná, de uma fazenda premiada.

Bebida à base de matcha, chá verde que está em alta

Além do café e suas variações, a The Coffee também oferece versões geladas, ponto forte de concorrentes como a Starbucks. Os destaques do cardápio da marca curitibana são o Iced Vanilla (bebida gelada à base de baunilha) e Flat Caramel (bebida quente feita com caramelo). Para acompanhar, há bolo e cookies.

Planejamento

Para 2020, a The Coffee projeta faturamento de 18 milhões de reais. O foco de expansão, por enquanto, são as regiões Sul e Sudeste. A empresa recebeu recentemente um investimento semente de 500 mil dólares da Monashees Venture Capital.

“A receptividade dos clientes tem sido enorme. Não fazemos apelos com promoções. A propaganda é orgânica”, garante Fertonani.

É também para este ano que a The Coffee reserva a abertura da primeira loja em que o cliente pode, de fato, entrar, pedir e levar o seu café. “Nosso cliente é exigente quanto à qualidade do café, tem bom gosto e não quer muita cerimônia.”