Esta empresa fatura cerca de R$ 2,5 mi por ano e tem um cachorro como CEO

A Dobra, de carteiras de "papel", também paga salários iguais para os funcionários — sem divisão por cargos ou hierarquia

São Paulo — Sem chefes, com um cachorro da raça pug chamado Batman como “CEO” e com salários iguais para todos os 17 funcionários: é assim que funciona a Dobra, empresa do interior do Rio Grande de Sul que fabrica tênis, camisetas, bolsas e carteiras de “papel”, e fatura cerca de R$ 2,5 milhões por ano.

Eduardo Hommerding, 28 anos, Augusto Massena, 21 anos e Guilherme Massena, 25 anos, tiveram a ideia de criar a empresa durante uma aula na faculdade em 2013.

Uma coisa era clara: eles queriam produzir produtos impermeáveis e resistentes — e fazer tudo isso com uma pegada ambiental. Três anos depois, em 2016, a produção foi viabilizada, e a Dobra saiu do papel. Neste ano, o leque de produtos aumentou e agora eles vendem também calçados.

Para evitar desperdícios, tudo é feito sob demanda. “Só fabricamos quando a compra é efetuada”, explica Hommerding.

E para quem ficar preocupado com o que vai acontecer com a carteira quando ela ficar velha e tiver de ser descartada, a Dobra traz uma opção benéfica não só para o meio ambiente mas também para o cliente. Basta enviar a carteira de volta para a companhia que o dono da peça ganhará um desconto em um item novo e o antigo será reciclado.

Carteiras de “papel”: produto foi o pontapé inicial da empresa

Carteiras de “papel”: produto foi o pontapé inicial da empresa (Dobra/Divulgação)

Por mês, a Dobra vende cerca de 6 mil itens. Para Dorli Terezinha Mart, consultora do Sebrae, o crescimento de companhias desse segmento vem de uma maior preocupação com o meio ambiente, principalmente nas gerações mais novas, como os millennials (nascidos entre 1979 e 1995).

73% deles, segundo um estudo feito pela Nielsen, empresa especializada em pesquisas, estão dispostos a gastar mais dinheiro em produtos sustentáveis. “Esse movimento de consumo mostra que as pessoas estão preocupadas em deixar um mundo que será usufruído por outras gerações”, diz Mart. “Para alguns grupos é bacana estar usando uma camiseta de garrafa pet, por exemplo. Mas não é só isso — é também uma preocupação pública. Você tem algumas legislações que levam a mudanças de comportamento porque algumas coisas começam a ficar mais caras “, afirma.

As gerações mais novas também querem mudar o mercado de trabalho. Uma pesquisa da Swytch, companhia focada em energia limpa, afirma que quase 70% dos millennials passariam mais tempo em uma empresa caso ela tivesse planos de sustentabilidade. A maioria também aceitaria ganhar salários menores nesses casos.

Segundo Hommerding, a gestão horizontal (modelo de negócios sem hierarquia) e o salário igualitário foram implementados para evitar disputas por dinheiro e promoções. “As pessoas ganham por divisão de lucro e não por cargo. Temos um valor base que as pessoas recebem fixo todo mês e o resto depende dos resultados da companhia”, explica.

“Não achávamos justo uma pessoa ganhar mais que a outra quando elas estavam fazendo a mesma coisa. Estamos experimentando e colhendo frutos legais, mas não sabemos se será sustentável quando tivermos mais funcionários”, garante.

O único “funcionário” que tem cargo definido é Batman, cachorro e “CEO”, que fica zanzando pelo escritório todos os dias, de olho em tudo que acontece . “Com ele, a gente dá uma quebrada na seriedade que uma empresa geralmente tem”, diz.

Batman também é o garoto propaganda e é sempre destaque no e-commerce da marca.

La Black Friday de Papel

Indo na contramão dos descontos da Black Friday, a Dobra vai dar uma carteira de graça na sexta-feira para quem doar um valor para projetos sociais e efetuar uma compra na loja.

E quer saber um segredo não tão secreto assim?

Os produtos não são produzidos com papel sulfite ou cartolina, e sim com uma fibra chamada “tyvek”, comumente usada na confecção de uniformes de funcionários fabris, por ser resistente e impermeável.

Se quiser comparar, é bem parecida com o material das capas amarelas de Jesse Pinkman e Walter White em Breaking Bad.