Empreendedor cria startup que protege celulares de acidentes

O Clube Pitzi foi criado em 2012 e cobra até 30 reais por mês para arrumar smartphones

São Paulo – Quem já deixou um smartphone caro cair no chão sabe a dor de cabeça que isso significa. Muitas vezes, o conserto do aparelho custa caro e leva muitos dias. Com esse problema, o americano Daniel Hatkoff, ex-analista do fundo de participações em empresas Warburg Pincus, pensou em uma startup para amenizar a preocupação, o Clube Pitzi.

Criada em fevereiro de 2012, a empresa é inspirada nas americanas SquareTrade e Asurion e cobra a partir de 5 reais para proteger smartphones contra acidentes. Por uma taxa a mais, o aparelho também pode ser consertado de quedas ou problemas com líquidos. A diferença entre um seguro ou garantia estendida é que o consumidor não precisa ter nota fiscal ou um aparelho novo para participar do clube. 

Segundo Hatkoff, que não comenta invesvimentos no negócio, o Pitzi cresce150% ao mês e a expectativa é atender todo o Brasil até o final deste ano. A receita vem do pagamento das mensalidades.