Como montar a parte financeira do plano de negócios

Uma das partes mais importantes do plano de negócios é o plano financeiro

5 passos para montar a parte financeira do plano de negócios
Respondido por Rogério Nunes, especialista em finanças

Um pequena empresa é viável quando oferece retorno financeiro ao empreendedor. Portanto, uma das partes mais importantes do plano de negócios é o plano financeiro.

Esta etapa transforma em números as estratégias de mercado e concorrência, localização, investimentos. Enfim, é a quantificação das demais peças do plano de negócios em relatórios que demonstrem a viabilidade econômica do empreendimento. Nessa parte, é necessário expor as descrições e cenários, fluxo de caixa, análise de investimentos, demonstrativos de resultados, projeções de balanços e outros indicadores.

Essa seção de projeções financeiras sempre pede uma atenção maior, e, geralmente, traz dúvidas para quem a desenvolve. Também não deve estar sujeita a emoções ou desejos – os números não podem mentir. Liste todos os pressupostos e os dados quantitativos como projeções financeiras com todas as estimativas de vendas, custos de produção, distribuição, logística, despesas comerciais e administrativas e investimentos em ativos e marketing.

Elabore as projeções financeiras para um período de três a cinco anos (este prazo deve obedecer às características de cada projeto), para que elas sirvam de orientação para a equipe de gestão, instituições financeiras ou possíveis investidores. Outra dica importante é que o planejamento traga as fontes de recursos financeiros, com um resumo de sua utilização.

Para que o plano financeiro seja bem completo, ele precisa ter as seguintes informações:

– Investimento inicial: coloque os custos com as instalações, suprimentos, equipamento e mobiliário necessários para a implantação do negócio;

– Custos e despesas: levante todos os valores que serão despendidos para produção do produto ou serviço da empresa e demais gastos necessários para a operação (administrativos e comerciais);

– Fluxo de caixa: é um instrumento que tem como objetivo a projeção das entradas e saídas de recursos financeiros da empresa;

– Demonstrativo de resultados: representa a geração de riqueza do empreendimento, sob o ponto de vista econômico, ou seja, determina a margem de lucro.

– Retorno do investimento: demonstra a relação entre o investimento efetuado e os ganhos gerados no empreendimento.

Para que o plano financeiro dê certo, ele tem que estar perfeitamente alinhado com as demais peças do plano de negócios.

Rogério Nunes é diretor da Moore Stephens Auditores e Consultores.