Como João Carlos Martins quis agradecer sua chance na música

Um dos maiores nomes da música clássica do país, Martins falou sobre seus projetos empreendedores para incentivar a democratização da cultura

São Paulo – João Carlos Martins é um dos maiores nomes da música clássica do país. Foi de pianista famoso por sua interpretação das composições de Johann Sebastian Bach até maestro de mais de 1.500 concertos.

Mas tal sucesso não veio sem a superação de diversos obstáculos. Em palestra durante o Day1, evento organizado pela Endeavor em parceria com o Sebrae que ocorreu nesta semana, o regente falou sobre sua trajetória cheia de desafios e sobre como descobriu, recentemente, a importância do empreendedorismo para a cultura.

“Uma pessoa tem duas possibilidades na vida: quando alcança seu objetivo, a pessoa tem que ter humildade. E, quando encontra uma adversidade, tem que ter determinação. Foi tal atitude que eu adotei na minha vida”, conta o maestro.

Superação

Tudo começou quando Martins tinha oito anos de idade. Seu pai lhe comprou o primeiro piano – um presente para animar o filho, que havia passado por uma cirurgia para tirar um tumor no pescoço.

“Parecia que eu levava jeito. Seis meses depois, ganhei um concurso nacional de piano”, diz Martins.

Durante toda a infância e adolescência, Martins foi crescendo como pianista: fez carreira nacional a partir dos 13 anos de idade e internacionalmente aos 18 anos. Dois anos depois, apresentou-se no prestigiado Carnegie Hall, nos Estados Unidos.

Ao mesmo tempo, teve de enfrentar diversos problemas de saúde. Também aos dezoito anos de idade, foi diagnosticado com distonia. A doença causa movimentos involuntários, o que afetava a habilidade motora do pianista. “Hoje, conhecemos isso como LER [Lesão por Esforço Repetitivo]”, afirma Martins.

“Não tem solução, mas há cuidados paliativos. Tive de encontrar minha própria forma de continuar minha carreira. Por exemplo: eu dormia até meia hora antes do concerto, porque a distonia vai se manifestando ao longo do dia. Com isso, conseguia começar o concerto como se tivesse acabado de acordar. E assim foram feitas minhas gravações de Bach.”

Os problemas de saúde não acabaram por aí. Aos 26 anos de idade, enquanto jogava uma partida amistosa pelo time da Portuguesa no Central Park (Nova York), um acidente atingiu o nervo ulnar do pianista. Em outra ocasião, foi assaltado e enfrentou uma lesão cerebral por oito meses no hospital.

As tragédias comprometeram mais ainda movimentos de Martins, que fez um longo tratamento para tentar voltar a tocar – e chegou a gravar álbuns e fazer vários concertos usando apenas sua mão esquerda.

“Ao todo, foram 23 operações para viver meu sonho. Até que, após uma delas, os médicos me falaram que eu nunca mais tocaria como profissão. Para mim, parecia que o mundo tinha acabado”, contou o pianista.

A luz no fim do túnel veio quando um amigo maestro lhe aconselhou a estudar regência. No dia seguinte, às sete horas da manhã, Martins teve sua primeira aula. “Agora, já foram mais de 1.500 concertos como regente. E faço 77 anos de idade neste mês.”

Empreendedorismo

“Na hora que eu percebi que poderia continuar na música através da regência, pensei comigo mesmo que a única forma de agradecer a Deus era continuar buscando a excelência musical aliada à responsabilidade social”, afirmou o maestro.

Para concretizar tal objetivo, Martins apostou no empreendedorismo. “Eu percebi a importância do empreendedorismo na música, e na cultura como um todo. Por meio dele, concebi um sonho que quero realizar.”

Tudo começou, diz Martins, quando um jovem que tocava violino veio pedir 10 reais ao maestro, para poder comer. “Eu falei que ele tinha talento. Que eu iria formar uma orquestra jovem e que ele seria o primeiro violinista. Dois anos e meio depois, ele estava em pleno Carnegie Hall, levando o nome do Brasil.”

Esse foi o começo do projeto “A Música Venceu”, coordenado por João Carlos Martins na Fundação Bachiana, criada em 2006. A ideia é levar a musicalização para crianças e adolescentes em cidades do interior ou bairros pequenos. O trabalho é principalmente voltado para jovens carentes.

“Quando eu penso nas minhas visitas à Fundação Casa [antiga Febem]… Lembro de uma quinta-feira que um pai chegou para mim e disse ‘meu filho pediu para ficar preso mais três dias, para falar obrigado”, conta Martins.

“Esses mesmos jovens, que estavam em liberdade assistida, deixaram um cartão de Natal na portaria do meu prédio, dizendo: ‘Tio Maestro, Feliz Natal. A música venceu o crime’.”

Agora, o regente está liderando o projeto “Orquestrando São Paulo” – que pretende criar 1.000 orquestras em cidades de até 40 ou 50 mil habitantes, juntando bandas locais com músicos de corda, geralmente presentes em igrejas evangélicas.

Martins espera que a iniciativa se transforme em “Orquestrando Brasil” em breve – e mais crianças realizem seus sonhos. “Através da música, eu corri, corri e corri atrás dos meus sonhos. E, hoje, os sonhos correm atrás de mim.”

Veja o vídeo com a apresentação completa de João Carlos Martins: