Como calcular o capital de giro para iniciar um negócio?

O capital de giro é necessário para que as operações funcionem, sendo utilizado para compra de estoque ou divulgação nas mídias digitais, por exemplo.

Dúvida do leitor: Quero abrir uma loja virtual. Como escapo da crise? Já estudei meu mercado e meu público-alvo, mas tenho dúvidas sobre como aplicar o pouco capital no empreendimento. Como funciona o cálculo para capital de giro e lucro? Como saber se terei retorno nos primeiros meses?

A crise econômica que se instalou no Brasil nos últimos anos fez com que muitas inciativas empreendedoras surgissem, o que já se tornou realidade em uma economia globalziada. O ato de empreender, porém, não pode ser pensado a partir da ótica de “seguir uma moda” ou um mercado que “parece” promissor, mas, por vezes, está saturado.

É necessário pesquisar bem a área em que se deseja empreender, analisar todas as variáveis positivas e negativas, compreender o comportamento do público-alvo em curto, médio e longo prazo. Tudo isso tendo em vista que a sustentabilidade do negócio deve ser pensanda desde o início.

Uma vez praticada essa análise, chega a hora de preocupar-se com o capital a ser investido, com o giro desse investimento e com o lucro pretendido. O tempo para o retorno deve ser pensado e definido pelo empreendedor. Ter paciência para esperar é uma das competências a ser desenvolvida.

O capital de giro, geralmente, representa em média 50 a 60% do montante da verba empregada para colocar a empresa em funcionamento. Esse valor é necessário para que as operações funcionem, sendo utilizado para compra de estoques ou matéria-prima e divulgação da loja virtual (no caso de e-commerce) nas mídias digitais, por exemplo.

Em alguns casos, esse tipo de negócio necessita de um maior investimento em marketing que uma loja física, embora muitos empreendedores não se deem conta da importância desta estratégia.

Assim, vale a pena avaliar se a disponibilidade de capital é suficiente para cobrir e manter esses custos iniciais, fazendo análise e especificando o tempo necessário para chegar ao ponto de equilíbrio, ou seja, as receitas anularem as despesas e o lucro ser alcançado.

Uma dica importante: caso não tenha o capital de giro necessário para inicar seu negócio e tenha que recorrer a capital de terceiros por meio de empréstimos (bancos), analise os juros cobrados. Eles fatalmente impactarão negativamente sua margem de lucratividade, o que gera um maior tempo para o retorno de investimento.

Por fim, não deixe de empreender. Saiba que entre o sonho e a realidade, temos um longo e satisfatório caminho de aprendizado.

Arnaldo Vhieira é coordenador do curso de Gestão Financeira do Complexo Educacional FMU.

Envie suas dúvidas sobre plano de negócio para pme-exame@abril.com.br.