Brasil terá incubadora de empresas nos Estados Unidos

Até 30 projetos poderão ser aprovados durante o primeiro ano de funcionamento da incubadora

São Paulo – Uma parceria entre o Centro de Liderança Pública, organização sem fins lucrativos com sede em São Paulo, e a Laspau, entidade ligada à universidade de Harvard para o gerenciamento de bolsas de estudo em instituições de ensino americanas, vai incentivar a criação de startups brasileiras na região de Boston, nos Estados Unidos.

O Brazil IdeaLab, como foi batizado o projeto, será a primeira incubadora de empresas do Brasil no exterior. O processo de seleção começou hoje e vai até o início de novembro.

“Nosso objetivo é reter parte dos talentos que estudam nas universidades americanas e, assim, incentivar o retorno desses profissionais qualificados com projetos ligados ao Brasil”, diz Luiz Felipe d’Avila, presidente do CLP.

Pela parceria, a Laspau fará a intermediação dos estudantes e pesquisadores com as universidades, buscando os centros de ensinos mais adequados aos objetivos de seus projetos, e auxiliará no monitoramento durante o período de desenvolvimento.

Já o CLP ficará responsável pela promoção de encontros entre investidores e as startups e pelos recursos necessários para o funcionamento da incubadora. Além disso, a Laspau e o CLP vão realizar palestras, debates e encontros com outros empreendedores. O investimento inicial previsto para o Brazil IdeaLab é de 1,5 milhão de dólares até o fim de 2015.

A região de Boston conta com mais de 50 universidades e é um dos grandes centros de inovação do mundo. Entre as universidades mais renomadas, estão Harvard e o MIT (Massachusetts Institute of Technology).


“Boston é um dos locais mais propícios para uma incubadora. Existe uma forte interação entre as universidades, empresas e poder público”, afirma Peter DeShazo, diretor executivo da Laspau. A Laspau também é responsável pela administração das bolsas de estudo de doutorado do programa do governo brasileiro Ciências sem Fronteira nos Estados Unidos.

Segundo d’Avila, se o Brazil IdeaLab for bem sucedido, deverá ser ampliado para outras regiões americanas, como o Vale do Silício, na Califórnia. No primeiro ano de funcionamento, a incubadora poderá apoiar entre 15 e 30 startups, dependendo do número de projetos selecionados pelas duas instituições.

Como fazer

Para participar do Brazil IdeaLab, os candidatos devem ser brasileiros e estudar ou fazer pesquisas nos Estados Unidos. Para se habilitar, a startup precisa ter também a meta de promover algum impacto público com seus negócios no Brasil.

Segundo d’Avila, o desenvolvimento de uma nova semente de soja que tenha potencial de ampliar as fronteiras do agronegócio do brasileiro é um exemplo de startup que contemplaria esse propósito.

“A implantação do projeto tem que ser no Brasil e deve trazer benefícios ao país”, diz. O prazo para a inscrição vai até o início de novembro. Os candidatos interessados devem enviar e-mail para laspau-idia@harvard.edu para maiores informações.