Brasil cresce em competitividade turística

Dados divulgados pelo Sebrae, Ministério do Turismo e FGV mostram que nota do País melhora quatro pontos percentuais de 2008 a 2010

Brasília – De acordo com o Índice de Competitividade do Turismo Nacional (ICTN), divulgado ontem (7), durante a cerimônia de entrega dos prêmios aos municípios indutores de turismo, em Brasília, o Brasil aumentou quatro pontos percentuais entre 2008 e 2010. O conjunto de indicadores que compõem o ICTN se dividide em 13 dimensões e é fruto do Estudo da Competitividade dos 65 Destinos Indutores do Turismo, realização do Sebrae em parceria com o Ministério do Turismo (Mtur) e executado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV/RJ) desde 2008.

A nota geral do País em competitividade do turismo este ano foi 56 (entre zero e 100 pontos). Em 2008, tinha sido de 52,1 pontos. A indústria brasileira de turismo cresceu 3,9% em três anos, de acordo com o ICTN. “O crescimento foi bastante significativo, mas ainda há muito o que se fazer”, comentou Luiz Gustavo Barbosa, do Núcleo de Turismo da FGV/RJ e coordenador da pesquisa geradora dos indicadores brasileiros de competitividade turística.

Mais municípios foram avaliados na terceira edição do estudo, que se transformou em índice. Foram pesquisados 122 destinos. Os pesquisadores levaram, em média, cinco dias em cada um deles para levantar os dados. “Espero que esse índice tenha continuidade nos próximos anos. É uma boa ferramenta de planejamento para os municípios indutores de turismo”, afirmou Luiz Barretto, ministro do Turismo. “É impossível pesquisar os mais de 5 mil municípios brasileiros e nem todos têm vocação para o turismo. Se cada estado adotar a mesma metodologia do ICTN, vai ajudar muito”, ressaltou.

A metodologia desenvolvida pela FGV/RJ pode ser replicada por secretarias estaduais de turismo e contribuir para ampliar o conhecimento e acompanhamento da evolução das condições do turismo nacional. Minas Gerais foi citado como exemplo no evento por ter pesquisado por livre iniciativa 17 municípios com potencial turístico.

Comparação
Segundo o diretor técnico do Sebrae, Carlos Alberto dos Santos, o ICTN é ferramenta fundamental para o planejamento e desenvolvimento do turismo nos estados, municípios e regiões. “Ao medir, a gente foca melhor e muda o estado das coisas. Esse índice induz dinamismo ao setor, pois os destinos passam a ser comparados”, destacou Carlos Alberto.

O diretor ressaltou que o Estudo de Competitividade dos 65 Destinos Indutores de Turismo evoluiu e, a partir deste ano, passou a ser denominado como Índice de Competitividade do Turismo Nacional. A metodologia divide os destinos em capitais, não capitais e índice geral do País. Os melhores indicadores nacionais foram registrados nas dimensões de Serviços e Equipamentos (+6%), Cooperação Regional (+7%) e Capacidade Empresarial (+5,7%).

No âmbito de capitais, a cidade de São Paulo foi a que registrou os melhores indicadores de crescimento (quatro dimensões) do ICTN/2010, sendo eles Acesso; Serviços e Equipamentos; Monitoramento e Economia Local. Em termos dos destinos que não são capitais, o município paranaense de Foz do Iguaçu se destacou em Acesso; Serviços e Equipamentos; Marketing e Promoção do Destino; Monitoramento e Capacidade Empresarial. A capital paulista e a cidade paranaense também obtiveram a maior nota nacional pelo segundo ano consecutivo, de acordo com a metodologia do ICTN.