As forças que movem a indústria

.linha-tabela-dados {
border-bottom: 1px solid #C1C1C1;
height:25px;
}

.linha-tabela-dados2 {
height:30px;
}

.box-info-emp {
width:445px;
background-color:#E5E5E5;
/*float:left;*/
margin-right:8px;
padding:10px;
margin-bottom: 25px;
}

.larg-coluna {
width:50px;
}

São Paulo – Uma pesquisa recente da multinacional americana GE aponta que as grandes empresas consideram as startups e os pequenos negócios os parceiros ideais para gerar inovação e ganhar competitividade. O estudo considerou a opinião de 3.200 executivos em 26 países. Segundo os entrevistados, Brasil, México e Turquia são os países emergentes mais aptos a entrar numa nova era chamada “internet industrial”.

“O surgimento de máquinas cada vez mais potentes e acessíveis está ampliando a criação de novas tecnologias para a indústria”, diz Adriana Machado, vice-presidente de políticas públicas e assuntos governamentais da GE na América Latina. Veja algumas conclusões da pesquisa.

A colaboração dos pequenos

A importância das parcerias entre grandes empresas e startups:

Startups e empreendedores são os parceiros mais desejados pelas grandes empresas 85%
A colaboração entre empresas é um risco que compensa 77%
A colaboração ajudou a aumentar as receitas do negócio 64%

O papel dos governos

Quais devem ser as prioridades do poder público para gerar inovação:

Combater a burocracia 87%
Garantir a proteção dos segredos comerciais 77%
Adequar a grade curricular de ensino de acordo com as necessidades das empresas 64%

Quem está liderando a inovação

De onde vêm as mudanças disruptivas na opinião dos grandes executivos:

Pequenas e médias empresas 21%
Startups e empreendedores individuais 20%
Multinacionais 19%
Grandes empresas 14%
Governo e estatais 11%
Universidades e laboratórios de pesquisa 11%
Órgãos públicos municipais 3%
Empresas estatais com participação privada 1%

Fonte: Pesquisa Barômetro Global da Inovação/General Electric/2014