App que une investimentos em um só lugar recebe aporte de R$ 35 mi

A Gorila Invest consolida aplicações em apenas uma interface. Investimento série A foi liderado pelo fundo Ribbit Capital, especializado em fintechs

O Brasil tem mais de 600 startups de serviços financeiros. As fintechs que mais cresceram em números foram as que atuam como alternativas aos grandes bancos na hora de investir. São quase 40 plataformas para aportar em diversos produtos financeiros — dos títulos no Tesouro Direto até fundos multimercados, de ações ou criptomoedas. O movimento trouxe uma nova dificuldade: acompanhar todos esses investimentos. E, no obstáculo, surge uma oportunidade de negócio.

É o que descobriram os empreendedores Guilherme Assis, Leo Kalim e Robinson Dantas. Eles criaram há três anos o aplicativo Gorila Invest, que consolida diversas carteiras em bancos e corretoras dentro de uma única plataforma. A startup anunciou nesta semana um investimento série A de 35 milhões de reais. Com operação real desde o ano passado, o negócio já tem 40 mil usuários e 5 bilhões de reais em monitoramento.

Oportunidade de negócio

Assis, Dantas e Kalim trabalharam no mercado financeiro, em bancos como o Morgan Stanley. Depois, montaram a gestora de investimentos Iporanga e investiram em startups a partir de 2011. Foram quase 30 negócios escaláveis e inovadores no portfólio, como as startups Loggi, Quero Educação e Olist.

“Com a experiência em finanças e tecnologia, vimos uma oportunidade na dor de conseguir controlar e calcular o rendimento de uma carteira de investimentos dividida entre várias instituições”, diz Assis. Em 2016, os três gestores começaram a desenvolver a infraestrutura do que seria a Gorila Invest. Em 2018, o aplicativo foi lançado. Assis, Dantas e Kalim permanecem sócios da Iporanga, mas se dedicam em tempo integral à Gorila Invest.

Veja também

Na Gorila Invest, o usuário pode inserir manualmente seus investimentos ou por meio da integração com o portal da bolsa de valores brasileira, a B3. É possível ver rentabilidade consolidada ou por produto e cotações, eventos e preços de todas as aplicações. As posições são atualizadas automaticamente, facilitando acompanhar o desempenho de quem tem conta em mais de uma corretora ou banco e várias aplicações financeiras.

A Gorila Invest está usando o novo aporte firmando parcerias com bancos e corretoras e divulgará os nomes nas próximas semanas. A startup afirma estar de acordo com a lei europeia de proteção de dados, a LGPD. Um modelo similar de cuidado com informações entrará em vigor no Brasil em 2020.

Para o investidor, a Gorila Invest é gratuita. A startup se monetiza por meio de sua frente de atendimento a empresas (B2B), desde profissionais autônomos de investimento até gerentes de bancos e corretoras. O preço é de 14,90 reais por cliente e por mês.

Existem dois produtos B2B: o GorilaPRO é voltado ao corretor e transmite informações entre assessor e investidor em tempo real, inclusive fazendo em seu painel segmentações de clientes por patrimônio, perfil de risco e tipo de aplicação. Outro produto é o GorilaNET, que permite a bancos e corretoras usarem a plataforma de controle de investimentos da Gorila Invest com marca própria (white label).

Plataforma GorilaPRO, para corretores e gerentes Plataforma GorilaPRO, para corretores

Plataforma GorilaPRO, para corretores (Gorila Invest/Divulgação)

A Gorila Invest tem 40 mil usuários e 5 bilhões de reais em monitoramento. Do lado B2B, há mais de 30 clientes e a entrada de novos pagantes funciona no esquema de convites.

Investimento e expansão

O investimento série A de 35 milhões de reais foi liderado pela Ribbit Capital.O fundo é um dos maiores investidores em fintechs do mundo, com aportes nas startups Brex, ComparaOnline, Conta Azul, Nubank e Warren. Também participam da rodada os fundos de investimentos brasileiros Canary (Buser, Gupy, Hash, La Pag, Loft, Smart MEI, Volanty) e Monashees (99, Conta Azul, Fazenda Futuro, Loft, Loggi, MadeiraMadeira, Magnetis, Méliuz, Neon, Rappi) e a própria Iporanga.

A Gorila Invest tem 30 funcionários, 20 deles na área de desenvolvimento. Em até 12 meses, o negócio projeta dobrar a equipe. As contratações servirão para realizar mais integrações com bancos, corretoras e profissionais do mercado. Os recursos também servirão para a adição de novos produtos de investimento, como COEs, e de funcionalidades como cálculo automático de impostos devidos. Em 2020, a Gorila Invest colocará investimentos no exterior dentro de seu aplicativo. Quanto mais fintechs houver, mais oportunidades para o empreendimento.